Crescimento do Brasil ficará abaixo da AL

A economia latino-americana crescerá 5% em 2006, e com isso completará um ciclo de quatro anos de expansão, segundo relatório apresentado nesta terça-feira em Santiago pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal). O Brasil, no entanto, deve ficar abaixo da média, com expansão de 4%.Nos últimos quatro anos, o crescimento médio anual do Produto Interno Bruto (PIB) regional foi de 4,3%, o que supõe um aumento médio do PIB per capita de 2,8%, de acordo com o relatório.Para o próximo ano, a Cepal prevê um crescimento regional de 4,5%, "em um contexto de leve desaceleração da economia mundial".O documento admite que o crescimento latino-americano é inferior ao de outras partes do mundo, mas destaca que, em termos gerais, as nações da região estão crescendo "com um superávit em conta corrente e um saneamento das contas públicas que permitem com que atenuem eventuais vulnerabilidades frente a possíveis influências externas".Também ressalta que o crescimento regional se sustenta "em uma conjuntura externa propícia", caracterizada pela expansão sustentada da economia mundial e uma abundante liquidez nos mercados. Países A Cepal acredita que o crescimento da região este ano será liderado pela Venezuela e a República Dominicana, com 8%, seguidos pela Argentina, cujas previsões apontam para 7,6%. A economia do Panamá crescerá 6,5%, a do Peru 5,8% e a do Chile 5,6%. Uruguai (5%), Colômbia e Honduras (4,8%), Costa Rica (4,3%), Bolívia (4,2%) e Brasil, México e Guatemala (4%) vêm a seguir.A Cepal destacou que o atual ciclo de expansão da economia regional, que já dura quatro anos, é o segundo em 25 anos. O último tinha sido registrado entre 1991 e 1994.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.