Klabin/Divulgação
Klabin/Divulgação

Crescimento do e-commerce beneficia a indústria de papelão

Comércio eletrônico exige que os produtos cheguem aos compradores bem embalados, o que aumenta a demanda por papelão e papel

Gabriela Michelucci*, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2021 | 04h00

A pandemia de covid-19, que colocou o mundo em alerta e, principalmente, todos isolados em casa, fez os consumidores adaptarem seus hábitos de consumo. Sem poder ir às compras, as pessoas simplesmente acionaram seus dispositivos eletrônicos – celulares, tablets e computadores – e experimentaram a compra pela internet.

De acordo com dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), entre abril e setembro de 2020, o que engloba os segundo e terceiro trimestres do ano, 11,5 milhões de pessoas fizeram sua primeira compra online. Mais de 150 mil novas lojas online surgiram neste mesmo período.

Antes de março de 2020, as vendas pela internet representavam 5,8% do que era comercializado no varejo digital e fecharam o ano com crescimento de 68%, por conta do isolamento social e das mudanças da pandemia de covid-19. Em 2021 a projeção é que o e-commerce continue crescendo gradativamente e atinja 18%. A representatividade do Comércio Eletrônico no varejo brasileiro hoje atingiu o porcentual de 11%. 

A pandemia fez 38% dos brasileiros comprarem, pela primeira vez, produtos de limpeza pela internet, segundo o site e-commerce Brasil. O e-commerce no Brasil, antes da pandemia, representava pouco mais de 5% das vendas totais do varejo. Depois, subiu para 12%. 

Esses dados dão uma ideia da expansão e da importância do comércio eletrônico nos tempos difíceis que a humanidade ainda vai enfrentar até que todos possam ser vacinados. Assim, segundo a Ebit/Nielsen, as vendas do e-commerce no Brasil em 2021 devem crescer 26%, chegando a um faturamento de R$ 110 bilhões.

O assunto é particularmente importante para a Associação Brasileira de Embalagens em Papel (Empapel), porque a venda de papel e papelão ondulado para produção de embalagens de alimentos e bebidas, produtos farmacêuticos, de higiene e limpeza cresceu consideravelmente no período.

O comércio eletrônico exige que os produtos vendidos cheguem aos compradores embalados e a solução por embalagens em papel e papelão tem se mostrado mais eficiente, além de sustentável, já que o papel é reciclável e sua produção segue rigorosos padrões de sustentabilidade.

Outra questão é a proteção ao produto. As embalagens em papel e papelão ondulado oferecem segurança no transporte contra choques físicos, na condução até o destino final, seja a prateleira dos mercados, locais de armazenamento ou a casa dos consumidores. 

Importante lembrar também o baixo custo. As embalagens podem ser moldadas em diversos formatos e o produto é leve, prático e demanda pouco espaço para acomodação, uma vez que é totalmente customizado.

A entrega de produtos por esse canal de vendas pode requerer ainda uma segunda embalagem. A primeira, do fabricante de embalagens para a indústria e a segunda, por meio do comércio eletrônico direto para a casa do consumidor.

Por conta disso, desde julho o setor registra recordes mensais há nove meses. Em março de 2021, últimos números levantados pela Empapel, via Fundação Getúlio Vargas (FGV), a expedição de caixas, acessórios e chapas de papelão ondulado teve aumento de 9,6%, em relação ao mesmo período em 2020, com um novo registro de recorde mensal. As projeções para o segundo trimestre de 2021 também são de crescimento. 

A continuidade da pandemia no Brasil, pelo menos no primeiro semestre de 2021, indica que o quadro pode não mudar. Em meio a tantas notícias desafiadoras, a indústria brasileira está mostrando que consegue se adaptar e entregar ao consumidor uma ótima alternativa de consumo, com segurança, rapidez e sustentabilidade.

*PRESIDENTE DO CONSELHO DA EMPAPEL, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMBALAGENS EM PAPEL, ANTIGA ABPO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.