Crescimento europeu deve ser menor que o esperado, diz BCE

Membro da diretoria do Banco Central Europeu diz que riscos de declínio do crescimento aumentaram

Reuters,

29 Outubro 2008 | 08h24

O crescimento da zona do euro será menor que o esperado por vários trimestres, à medida que os riscos de retração da atividade aumentaram, disse o membro da diretoria do Banco Central Europeu (BCE), Jose Manuel Gonzalez Paramo, em uma entrevista publicada nesta quarta-feira, 29.   Veja também: Veja os reflexos da crise financeira em todo o mundo Veja os primeiros indicadores da crise financeira no Brasil Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise    Gonzalez Paramo disse ao jornal financeiro espanhol El Economista que a recuperação da crise financeira levará algum tempo. "Está claro que nós vamos enfrentar vários trimestres de crescimento mais moderado que o esperado. Nós teremos de esperar e ver a magnitude, porque os riscos de declínio do crescimento aumentaram, acima de tudo devido à extensão dos temores financeiros", disse ele.   "A confiança não retornará até que paremos de pensar sobre medidas que foram tomadas, e possamos ver instituições financeiras retomando suas atividades normais", afirmou. O BCE cortou a taxa de juro em 0,5% em 8 de outubro, para 3,75%, e é esperado que afrouxe as rédeas da política novamente na sua próxima reunião do dia 6 de novembro.   O BCE pretende manter a inflação abaixo, mas perto, de 2%. A inflação na zona do euro está em 3,6%, mas é esperado que desacelere fortemente devido à preços mais baixos do petróleo e crescimento econômico menor.   Quando perguntado se o BCE deveria cortar a taxa de juro para ajudar a reaquecer o mercado interbancário, ele disse ao jornal francês Les Echos: "A experiência mostra que não é o nível da taxa oficial que tem impacto na atividade interbancária, mas muito mais, a uma dada taxa, a flexibilidade com a qual lidamos com nosso arsenal de instrumentos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.