Crescimento faz mercado ignorar o cenário externo em julho

O bom momento da economia brasileira se sobrepôs ao cenário externo em julho. Apesar da alta recorde do petróleo e da desvalorização das bolsas norte-americanas, o mercado financeiro brasileiro encerra o mês otimista com o crescimento. A bolsa paulista fechou o mês com valorização de 5,62%. Já nos EUA, o Dow Jones caiu 2,83% e o Nasdaq recuou 7,83%. Nesta sexta-feira, o Ibovespa subiu 0,49%, para 22.336 pontos, com giro de R$ 1,011 bilhão.O mercado cambial também teve um mês favorável para o real. A moeda norte-americana contabilizou queda de 1,59% sobre o real. No ano, no entanto, o dólar acumula alta de 4,65%. Hoje, o dólar ficou praticamente estável, com alta de 0,03%, a R$ 3,038 - após três quedas consecutivas. No mercado de títulos da dívida, o dia foi de alta para os papéis brasileiros. O C-Bond encerrou em +0,33%, cotado a 94,375 centavos de dólar. O risco Brasil ficou estável em 592 pontos.Os contratos futuros de juros, os DI, tanto no curto como no longo prazo, encerraram o mês projetando juros mais elevados, ainda repercutindo a ata do Copom. Na BM&F, os DIs de janeiro de 2005 ficaram em 16,65% contra 16,59% na quinta-feira. Já os DI de novembro deste ano fecharam em 16,17%, contra 16,08% de ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.