Crescimento industrial ainda não é expressivo, destaca Fiemg

O presidente do Conselho de Política Econômica da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Sérgio Cavalieri, acredita que o crescimento apresentado na produção industrial em agosto "é razoável, mas ainda não expressivo". De acordo com dados divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção industrial do País apresentou em agosto o maior crescimento do ano em relação a mês anterior, com alta de 1,5% ante julho. De acordo com Cavalieri, os números não surpreenderam os empresários, ainda que demonstrem que o País ensaia uma recuperação da economia a partir do segundo semestre. Ele acredita que fatores como a queda de juros, a redução dos depósitos compulsórios pelos bancos, a redução da oscilação da moeda americana e os incentivos dados à indústria automobilística, com a redução do IPI, tenham sido os principais responsáveis pela recuperação. Além disso, o presidente do Conselho de Política Econômica da Fiemg destacou as renegociações salariais dos trabalhadores a partir deste semestre, que recompuseram o poder de compra dos trabalhadores. "As pessoas estão mais confiantes na economia", diz ele. PerspectivasAinda que as condições tenham apresentado melhora, Cavalieri aponta que os meses anteriores apresentaram desempenho muito fraco e será difícil de recuperar totalmente as perdas registradas este ano. As expectativas da Fiemg, segundo ele, são de que, na melhor das hipóteses, a produção industrial terá um crescimento de 1% no faturamento até o final de 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.