Crescimento menor não deve abalar nova classe média, diz governo

De acordo com a Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, em 2008 e 2009, anos marcados pela crise, a classe média continuou crescendo

Bianca Ribeiro, da Agência Estado,

25 de junho de 2012 | 17h39

SÃO PAULO - A nova classe média deve passar ilesa pelo baixo crescimento econômico do País projetado para este ano, com previsões se consolidando em patamar inferior a 2%. Na avaliação do secretário de Ações Estratégicas da Secretária de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República, Ricardo Paes de Barros, nos anos 2008 e 2009, marcados pela crise internacional, a classe média continuou crescendo e a desigualdade seguiu em declínio. "Não há razão que explique, mas parece que as políticas desenvolvidas são resilientes à conjuntura econômica", diz Paes de Barros.

O secretário avalia ainda que a renda dos mais ricos, fortalecida por ativos e investimentos, tende a ser mais sensível a cenários econômicos de volatilidade, como o atual. Conforme estimativas feita pela SAE com base na Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios (Pnad), feita pelo IBGE entre 1999 e 2009, a fatia de pobres no País era de 38,7% em 2001, caiu a 28,1% em 2007, passou por 2008 em 25,3% e chegou a 2009 em 23,9%. Ao mesmo tempo, o tamanho da classe média, que era de 43% da população em 2001, chegou a 48% em 2007 e avançou para 50% em 2008, tendo ficado neste patamar em 2009. A partir de dados da Pnad, a SAE projeta para uma classe média formada por 54% da população em 2012.

O estudo mostra, ainda, que a redução das desigualdades no País - em grande medida gerada pela estabilidade econômica e as políticas de transferência - foi responsável por dois terços da queda da pobreza verificada ao longo do período. "A classe mais pobre cresceu a um ritmo chinês, de 7% ao ano, enquanto os mais ricos estavam mais próximos de uma expansão alemã, de 1,5%. Os pobres de aproximam dos ricos na mesma velocidade em que a China se aproxima da Alemanha" destaca Paes de Barros.

Mesmo mostrando resistência durante a crise de 2009, a estratificação da Secretaria é feita essencialmente pela renda, que em grande medida está associada ao emprego. Assim, seria necessário uma crise de emprego para alterar a dinâmica registrada nos últimos 10 anos. Dados do IBGE, no entanto, mostraram na semana passada que a taxa de desemprego recuou de 6% em abril para 5,8% em maio, menor patamar para o mês desde 2002.

Transferência de renda

No trabalho de definição da classe média brasileira, a equipe da SAE analisou as componentes de formação de renda per capita familiar - que pode derivar de trabalho remunerado, transferência de renda e rendimento de ativos. Nesse recorte, é possível perceber que cerca de 20% da classe média é beneficiário de transferências de renda seja ela de que tipo for, incluindo Bolsa Família e Previdência Social Pública.

Na nova classificação do governo, feita essencialmente para desenvolver políticas públicas preventivas e complementares, a classe média foi fatiada em três camadas estabelecidas de acordo com a renda familiar mensal per capita: a baixa classe média (R$ 292 e R$ 441), média classe média (R$ 442 a R$ 641) e alta classe média (R$ 642 e R$ 1.019). "Mas sabemos que as pessoas vivem com mais do que isso, pois estão quase sempre num contexto familiar", diz Diana Grosner, da equipe da SAE. Considerando, então, a renda familiar média, esses três subgrupos da classe média estariam enquadrados em famílias que ganhariam mensalmente R$ 1,540, R$ 1,925 e R$ 2,813, respectivamente. A SAE não explicou o número de componentes dessas famílias.

Usando os dados da Pesquisa de Orçamento Familiar (POF) para a renda per capita familiar é possível ver que os limites também aumentam. O piso da classe média, de R$ 292, passa a R$ 428 e o limite superior, de R$ 1.019, chega a R$ 1.661. Se na Pnad a pesquisa domiciliar leva em conta a resposta a uma pergunta direta sobre renda, na POF, a equipe analisa o perfil de consumo e de uso os recursos em quatro visitas.

Impacto nas eleições

De acordo com Diana, essas novas divisões da classe média são necessárias, pois trata-se de um grupo pouco homogêneo, que cresce de modo diferente e tem necessidades diferentes. Para detectar os pontos de vulnerabilidade das novas classes médias, a SAE fez exercícios matemáticos com uma olhar voltado para a capacidade desses novos grupos de planejar o futuro. Significa dizer que a Secretaria procurou com isso identificar, por exemplo, em que ponto um recém emergido à classe média correria o risco de retroceder à classe baixa. Foram consideradas três hipóteses: chance de vir a ser pobre no próximo ano, chance de vir a ser pobre em algum dos próximos cinco anos e grau de pobreza estrutural. Todos os testes resultaram no citado piso de R$ 292 e teto de R$ 1.019 per capita.

Segundo Paes de Barros, a ambição do governo com essa nova definição - que inclui uma ampla pesquisa que terá início em agosto, cujo nome é "Vozes da Classe Média" - é analisar as visões desse grupo. "Queremos saber se as visões são diferentes entre as diferentes classes e se ao mudar de classe as pessoas mudam também de visão (inclusive política). Essa nova classe média já pensava diferente ou passou a pensar diferente depois de chegar na classe média?", questiona. Ele acredita que a ascensão social pode mudar a cara do Estado considerando as demandas e exigências das classes emergentes que podem se refletir pelo vota nas eleições.

Tudo o que sabemos sobre:
SAENova classe médiacrescimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.