Crescimento não se resolve "da noite para o dia", diz Palocci

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reuniu nesta quinta-feira os principais assessores da área econômica para discutir medidas de curto prazo destinadas a estimular o crescimento. O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, disse que com os projetos já em execução será possível ?começar um processo de retomada do crescimento, que não vai ser algo que se resolve da noite para o dia?. Na reunião de hoje, ficou decidido que o Conselho Monetário Nacional (CMN) fará uma reunião extraordinária, no início da próxima semana, para aprovar medidas necessárias para colocar em funcionamento o pacote de microcrédito do governo. O que o CMN deve discutir é, por exemplo, a regulamentação dos microempréstimo. O governo propôs que essas operações, que serão financiadas com 2% dos depósitos a vista em poder dos bancos, tivessem valor entre R$ 200,00 e R$ 600,00 e taxas de juros de no máximo 2%. Mas esses eram parâmetros ainda são discutidos com o sistema financeiro. O desenho definitivo vai ser regulamentado pelo CMN. Outro tema levado por Palocci à reunião foi o andamento da Lei de Falências, que está em tramitação no Congresso. O principal objetivo da nova legislação é reduzir o custo dos empréstimos ao diminuir o risco de os bancos levarem ?calote? das empresas em dificuldades. Segundo Palocci, o foco dessas medidas discutidas é reduzir o juro bancário e facilitar o acesso ao crédito. Sobre os investimentos em infra-estrutura, o ministro frisou que não abrirá mão das metas de resultado fiscal e por isso não haverá novos recursos do Orçamento para a área, a menos que haja melhora além do previsto na arrecadação. ?Nem sempre recursos de investimentos fundamentais para a economia são recursos de orçamento?, afirmou. Ele disse que é preciso convocar o empresariado brasileiro a fazer os investimentos necessários ao crescimento econômico e à criação de empregos.

Agencia Estado,

17 Julho 2003 | 21h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.