finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Crescimento pode impulsionar outros setores

A boa perspectiva de crescimento econômico para o Brasil nesse ano é motivo para a tendência de alta nos papéis dos setores de siderurgia e papel e celulose, de acordo com Nicolas Balafas, diretor de renda variável do BNP Asset Management. Na opinião do executivo, essas ações devem apresentar rentabilidade superior a 30% em doze meses.Alexandre Póvoa, diretor de renda variável do ABN Amro Asset Management, acredita que os segmentos de aço e construção civil também serão beneficiados pelo crescimento econômico. "A retomada da atividade na economia favorece as indústrias desses setores. No caso do aço, Usiminas é a recomendação. Já a Duratex é o destaque no setor de construção civil", explica o executivo. Póvoa indica também o setor de alimentos. De acordo com o diretor, a recuperação da renda e a diminuição do desemprego são os propulsores para a alta das ações desse segmento. "Os papéis da Perdigão têm as maiores chances de ganho", avalia. O setor financeiro também é lembrado por alguns analistas. A expectativa de aumento do crédito para a pessoa física é o principal motivo apontado por eles. Fabiano Gomes, gestor de renda variável do Santander Asset Management, prevê uma alta de 25% em um ano para as ações do Bradesco e de 25% para os papéis da Itaúsa. "O potencial de ganho desses papéis não deve superar o Ibovespa, pois já vêm em tendência de alta há algum tempo", explica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.