finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Crescimento só com nova política econômica, diz Nakano

O ex-secretário da Fazenda paulista, Yoshiaki Nakano, prevê que a economia brasileira deverá ter uma recuperação nos próximos meses e prevê também uma taxa de crescimento para o próximo ano em torno de 3%. Em entrevista ao Show Business, da Rede TV!, no entanto ele ponderou que o País ainda não tem condições estáveis de crescimento a longo prazo. "O problema é que nós não temos perspectivas de longo prazo de uma retomada para valer do crescimento", enfatizou o economista. "Ao longo dos próximos anos, infelizmente, se não houver uma mudança de política econômica eu não vejo possibilidade de o País voltar a crescer à taxa que nós crescemos", resignou-se ao se referir ao crescimento verificado até o início da década de 80. "Isto significaria uma tragédia porque o desemprego vai continuar crescendo. Nós precisamos de uma mudança da política econômica." Câmbio e juros: "fora de parâmetro"O economista da FGV prega que o governo harmonize as políticas de curto, médio e longo prazos, tome medidas mais duras na área fiscal e, principalmente, altere de forma radical a política dos principais preços da economia, a taxa de câmbio e de juros. "Os dois estão fora de qualquer parâmetro: o câmbio tem de subir e os juros têm que cair. E cair muito", opinou Nakano. De acordo com Nakano, o câmbio contido estaria desestimulando a entrada de investidores: "Com a taxa de câmbio oscilando, os investidores não têm estímulo. A rigor, investir em exportação é um risco altíssimo", acredita. "Nós temos de ter uma taxa real de câmbio que seja suficientemente estimulante para retomar o crescimento. Se você quer que o País cresça como a China, a taxa teria de ser muito acima de R$ 3,50. Falta dar um horizonte mais longo e claro pra retomar os investimentos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.