Criação de empregos com carteira assinada bate recorde

Em julho, foram criados 203.218 novos empregos formais. O total é recorde para o mês e em seis meses

Isabel Sobral, da Agência Estado,

19 de agosto de 2008 | 11h57

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de julho registrou a abertura de 203.218 novos empregos com carteira assinada no País. De acordo com os dados divulgados no final da manhã desta terça-feira, 19, pelo Ministério do Trabalho, esse foi o melhor resultado para o mês da série histórica. O resultado é 60,02% superior ao verificado em julho do ano passado, quando foram abertas 126.992 vagas.  No período de janeiro a julho, o Caged registra abertura de 1.564.606 novos empregos formais, também recorde para o período. Esse número é 28% maior do que o verificado em igual período de 2007, quando 1.222.495 empregos formais foram criados. O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, atribuiu o resultado ao "crescimento econômico generalizado". "Graças ao bom Deus, tivemos mais um recorde na geração de empregos", comemorou o ministro, em entrevista coletiva. O setor de serviços - que, em julho, abriu 51.292 empregos e, no período acumulado desde o início de janeiro, 490.105 - é o setor que mais se destaca na contratação de novos empregados. E, nesse setor, os segmentos de que mais contrataram foram os de administração de imóveis, alojamento e alimentação. A construção civil é um segundo setor de maior destaque, segundo Caged, com abertura de 35.078 postos de trabalho apenas em julho e de 232.231 no período de janeiro a julho. Lupi afirmou que o bom desempenho do setor da construção civil está relacionado à ampliação da oferta de financiamentos imobiliários e também ao andamento das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).  Segundo o ministro, é nesse setor que há maior falta de mão-de-obra qualificada e, por isso, foi a área escolhida para o lançamento dos primeiros cursos de qualificação de trabalhadores com vistas ao PAC. Lupi disse esperar que, até outubro, esses cursos estejam funcionando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.