Criação de vagas formais cresce 0,87% e bate recorde

Apenas em setembro, foram criados 251.168 novos postos com carteira assinada; no ano, alta é de 5,81%

ISABEL SOBRAL, Agencia Estado

15 de outubro de 2007 | 17h34

A criação de vagas com carteira assinada no Brasil cresceu 0,87% em setembro, para 251.168 novos postos, ante 176.735 no mesmo mês de 2006. O resultado, segundo o Ministério do Trabalho, o melhor já registrado no mês na série do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), iniciada em 1992.  De janeiro a setembro, foram criados 1.606.992 empregos formais. Em relação ao estoque, houve crescimento de 5,81%. De janeiro a setembro de 2006, haviam sido criados 1.383.805 empregos. O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, afirmou nesta segunda-feira, 15, esperar que os números divulgados sirvam para "sensibilizar" o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central a continuar a queda nos juros esta semana.  "A lógica do Banco Central é que não se gere inflação. Por isso, os números que divulgamos hoje, que mostram um recorde de criação de vagas de trabalho, devem sensibilizar os nossos amigos do BC a continuarem cortando os juros", disse. A reunião do Comitê termina nesta quarta-feira. Ao fazer uma comparação entre o crescimento econômico e um carro em movimento, Lupi afirmou que, "se puxar o freio de mão agora, o carro pode capotar".  Texto atualizado às 18h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.