Criador da GoPro desembolsa US$ 229 milhões para cumprir promessa a amigo

Criador da GoPro desembolsa US$ 229 milhões para cumprir promessa a amigo

Há 10 anos, Nick Woodman disse ao primeiro funcionário da empresa que daria 10% das ações da empresa caso houvesse uma oferta de venda

O Estado de S. Paulo

14 Maio 2015 | 18h03

O criador da câmera fotográfica GoPro, Nick Woodman, resolveu seguir a risca o lema de que "promessa é dívida". O bilionário abriu mão de 4,7 milhões de ações de sua companhia, o que equivale a US$ 229 milhões, para cumprir uma promessa feita anos antes a um colega de faculdade que foi seu primeiro funcionário.

Há dez anos, quando a GoPro ainda estava sendo desenvolvida, Neil Dana foi o primeiro funcionário da empresa. Ele havia estudado com Woodman na Universidade da Califórnia em San Diego.

Na época, Woodman prometeu a Dana que daria 10% das ações da empresa caso houvesse uma oferta de venda. Para cancelar este acordo, mas compensar o funcionário, a GoPro chegou a emitir em favor de Dana mais de 6 milhões de opções de ações em 2011. Woodman se comprometeu a reembolsar a empresa quando essas opções fossem exercidas.

Dana, atualmente diretor de música e vendas especiais da GoPro, gastou US$ 3,6 milhões para exercer suas opções de ação, segundo informações da Bloomberg. Os papéis estavam avaliados em US$ 229 milhões. Por conta disso, Woodman devolveu este valor à GoPro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.