Criadores de suínos argentinos pedem limite às compras do Brasil

Para criadores, entrada dos produtos brasileiros está fazendo com que os frigoríficos deixem de comprar dos produtores argentinos

Reuters,

21 de julho de 2011 | 16h14

Os criadores de suínos na Argentina bloquearão na próxima quarta-feira, 27, uma ponte importante para o comércio com o Brasil, como parte de um protesto para que o governo restrinja o ingresso de carne suína brasileira, cujos preços estão mais competitivos do que o produto local.

Os produtores argentinos afirmam que a crescente importação de carne suína do Brasil afeta suas vendas para as indústrias locais.

"A entrada de carne suína do Brasil em alguns momentos, como nesses primeiros meses de 2011, está fazendo com que os frigoríficos deixem de comprar dos produtores argentinos", disse à Reuters Omar Príncipe, secretário da Federação Agrária Argentina (FAA).

Os criadores argentinos bloquearão por algumas horas a ponte Rosario-Vitoria, localizada a cerca de 350 km ao norte de Buenos Aires e considerada uma rota importante para o comércio bilateral.

"(Pedimos) que haja um limite nas importações. Até 2.500 toneladas mensais não prejudicariam os produtores, mas está entrando o dobro", acrescentou o dirigente.

O Brasil fornece cerca de 70 por cento de toda a carne suína importada pela Argentina, e 2010 houve um aumento anual de 21 por cento, para 34.246 toneladas.

Em 2010, as compras argentinas de carne suína do Brasil representaram 100 milhões de dólares, ou 60 por cento mais que em 2009.

Especialistas em comércio afirmam que uma eventual restrição argentina à importação de carne brasileira poderia provocar um novo conflito entre os países, parceiros no Mercosul.

O Mercosul, contudo, prevê a limitação de importações mediante acordos voluntários entre setores privados.

Depois do protesto na ponte, os produtores argentinos realizarão uma assembleia na qual avaliaram a possibilidade novas medidas de força.

A Argentina é um importante produtor de carne bovina, mas seu rebanho de porcos é comparativamente menor.

Em 2010, segundo dados oficiais, o país sul-americano produziu 281.250 toneladas de carne suína, muito abaixo das 2,6 milhões de toneladas de carne bovina produzidas no mesmo período, de acordo com a Câmara da Indústria e Comércio de Carnes e Derivados (Ciccra, na sigla em espanhol).

(Reportagem de Maximiliano Rizzi)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSCARNEBRASIL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.