'Criar gigantes nacionais é uma política pública ruim'

Leia a entrevista com Bryan Marsal, fundador da Alvarez & Marsal:

Entrevista com

O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2014 | 02h04

 

Como a Alvarez & Marsal assumiu o Lehman Brothers?

Recebi duas ligações em uma noite em que estava assistindo a um jogo de futebol, quando deixo claro que não quero ser incomodado. Foi preciso que um sócio meu ligasse para minha esposa e dissesse que era necessário que eu atendesse àquela ligação. Eles me disseram que pediriam falência em duas horas. Precisavam de alguém com experiência, disposto a pôr uma grande força de trabalho rapidamente. No dia seguinte, tínhamos 215 funcionários da Alvarez & Marsal no prédio do Lehman Brothers. A meta era organizar os ativos, que eram de US$ 650 milhões, contra cobranças de US$ 1,2 trilhão.

Qual tipo de empresa em dificuldade pode ser salva?

No caso dos bancos, não há volta. Você pega os ativos e liquida. Já se o ativo for um navio, você não consegue tirar o dinheiro tão fácil. No caso dos bancos, muitas vezes é necessária a ajuda do governo para evitar a falência.

Quais são as perspectivas para a economia do Brasil?

O Brasil tem um mercado muito grande. Aqui, como em todos os países em desenvolvimento, há ciclos mais voláteis. A expansão é forte, seguida por uma forte desaceleração. Esse comportamento é comum. Agora, o Brasil está em uma fase mais negativa no cenário de curto prazo. Mas ainda há oportunidades, eu posso ver isso. A tendência é que, no futuro, os ciclos fiquem menos voláteis.

O que o sr. acha da criação de 'gigantes' que dominam grandes setores?

Acho que isso é uma má política pública. Os oligopólios (domínio de mercado por poucos grupos) só prejudicam o consumidor. É esse tipo de domínio que leva à criação de entidades "grandes demais para quebrar" que precisam ser salvas com o dinheiro do contribuinte. Criar gigantes nacionais pode dar prestígio, mas é uma política pública ruim, na minha opinião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.