Crise argentina não afeta América Latina, avalia UE

A direção geral para assuntos econômicos da União Européia (UE) considera que a crise econômica na Argentina não contaminará "outros países emergentes" na América Latina. A avaliação consta no documento divulgado hoje pela Comissão Européia sobre as consequências da economia internacional nos 12 países do euro.Na referência sobre Argentina, o documento sentencia: "apesar das perspectivas para o país ainda não estarem definidas, levando em consideração o pagamento das dívidas e a desvalorização de peso ? de acordo com o plano financeiro ? a nações vizinhas à Argentina até o momento apresentam um resultado atenuado".Os economistas da UE crêem ser improvável que a América Latina passe por uma situação similar ao que ocorreu a crise dos países do sudeste asiático em 1997-98. O documento analisa que "as economias latino-americanos apresentam fortes diferenças entre si com respeito a importância de seus mercados e produtos de exportação, políticas cambiais e gerenciamentos distintos para suas dívidas externas".O documento, preparado pela equipe econômica do comissário europeu para assuntos monetários, Pedro Solbes, não menciona as repercussões da crise argentina do Brasil. A única exceção citada é para Paraguai e Uruguai, "que têm fortes vínculos comerciais com Argentina e por isso, foram afetados de forma significativa".A crise na Argentina também será tema de debate no Europarlamento, em abril, antes da Cúpula do Madri, que reunirá, entre 17 e 18 de maio, os chefes de estado e governo dos países da UE, América Latina e Caribe.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.