bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Crise atinge Deutsche Bank, mas sem surpresas desagradáveis

O Deutsche Bank alertou naquarta-feira que sua maior geradora de receitas, a unidade debanco de investimento, vai continuar com desempenho fracodepois que a crise global de crédito levou os negócios dadivisão ao vermelho pela primeira vez em 5 anos. Apesar disso, o banco de investimento informou que o quartotrimestre vai melhorar e investidores ficaram satisfeitos emnão notar nenhuma surpresa desagradável nos resultados dobanco. As ações da instituição financeira subiam 4 por cento,enquanto o índice europeu de bancos tinha alta de 1,32 porcento. A operação de banco de investimento teve um prejuízo antesde impostos de 179 milhões de euros (258 milhões de dólares) noterceiro trimestre e informou que as receitas do quartotrimestre serão pressionadas "de maneira significativamentemenor do que os picos atingidos recentemente" em um momento emque o mercado está agitado. A ausência de notícias impactantes no balanço contrasta comalguns rivais. Nesta semana, o UBS tornou-se o segundo bancoglobal a divulgar prejuízo trimestral depois que o MerrillLynch revelou inesperados 8,4 bilhões de dólares em baixascontábeis. "Eles fizeram um trabalho melhor que o Merrill Lynch",disse Andreas Plaesier, analista da MM Warburg. Mas eleacrescentou: "Eu presumo que a crise financeira também vaiatingir a unidade de banco de investimento no primeirotrimestre de 2008." O banco alemão teve um lucro geral antes de impostos de 1,4bilhão de euros no trimestre, graças a ganhos com a venda departicipações da instituição e de escritórios em Wall Street. O resultado, apesar de um quinto menor que o obtido nomesmo período do ano passado, é melhor do que o Deutsche Bankhavia previsto há um mês, quando informou a investidores queesperava lucro de cerca de 1,2 bilhão de euros. "Investidores estão aliviados que o Deutsche Bank não temqualquer esqueleto no armário", disse um operador. Revelando os estragos sofridos por semanas de turbulênciasnos mercados de dívida combinadas com restrição de crédito, oDeutsche Bank informou que suas receitas com operaçõescorporativas e banco de investimento caíram para 1,9 bilhão deeuros no terceiro trimestre. Enquanto isso, a operação com corretagem, uma mina de ouropara o banco no passado, mas que se tornou imprevisível assimcomo o mercado em que opera, teve um prejuízo de mais de 800milhões de euros no período. A compra e venda de produtos relacionados a dívidas foiduramente atingida por condições difíceis de mercado. Asreceitas caíram mais de dois terços, para menos de 600 milhõesde euros. O presidente-executivo do banco, Josef Ackermann, mantevesua meta de lucro antes de impostos de 8,4 bilhões de euros nopróximo ano, mas afirmou que para isso acontecer é preciso queos mercados fiquem "normais". (Reportagem adicional de Jonathan Gould e Patricia Nann)

JOHN O'DONNELL, REUTERS

31 de outubro de 2007 | 09h34

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSDEUTSCHEBANKRESULTS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.