Crise aumenta pedidos de recuperação judicial em SP

Os estragos trazidos pela crise financeira nas empresas, como dificuldade para pagar e receber e falta de capital de giro, têm aumentado a procura por recuperação judicial. Segundo dados do Tribunal de Justiça, em São Paulo, as duas varas especializadas registraram, de 1.º a 19 de dezembro, seis pedidos de recuperação. No ano passado, foram dois processos distribuídos nesse período. O total de pedidos na capital paulista em 2008 chegou a 54 - oito a menos que o ano passado. O mecanismo, criado em 2005, visa a aumentar as chances de sobrevivência de companhias em falta com credores, sem a necessidade de entrar em falência. Nos escritórios de advocacia, o número de consultas sobre a possibilidade de pedir a recuperação na Justiça também cresce. Na banca Limongi Wirthmann Vicente, desde o início da crise, pelo menos cinco empresas buscaram a medida. ?Nosso trabalho dobrou?, diz o advogado Edemilson Vicente. Segundo ele, a opção pelo instrumento ocorre após tentativas frustradas de negociação com fornecedores. ?O empoçamento do crédito trouxe insolvência a muitas empresas.? O escritório L.O. Baptista Advogados, de São Paulo, também está prestando consultoria sobre o assunto. ?A falta de liquidez e o estouro do câmbio criaram uma situação grave para essas companhias, que não têm dinheiro para pagar suas dívidas e recorrem à Justiça para tentar administrá-las?, afirma o sócio Maurício Prado. Na recuperação judicial, a companhia apresenta um plano para restabelecer o negócio e, após o aval da Justiça e dos credores, pode renegociar seus débitos. ?A recuperação dá mobilidade à empresa na hora da crise, com a possibilidade de alongamento das dívidas?, explica Vicente. Segundo o advogado, diferentemente do que ocorria na concordata, na recuperação o empresário não perde a gestão do negócio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

25 Dezembro 2008 | 08h28

Mais conteúdo sobre:
crise recuperação judicial empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.