Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Crise com Bolívia gerou ´muita fumaça e pouco fogo´, diz Lula

Em tom cordial, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deu um puxão de orelha no presidente boliviano, Evo Morales, e nos outros líderes sul americano, que escancaram as suas desavenças mútuas, na Cimeira de Viena. Lula, que se reuniu hoje pela manhã com Morales e Alejando Toledo, do Peru, evitou responder perguntas específicas sobre os ataques do seu colega boliviano à Petrobrás e ao Brasil, preferindo amenizar as declarações resumindo que tudo que aconteceu ?representou apenas que tinha muita fumaça e pouco fogo?. Lula lembrou a Evo Morales ?que o Brasil precisa do gás do Bolívia, e a Bolívia precisa vender o gás para o Brasil?. E avisou: ?por isso, é preciso encontrar o ponto de equilíbrio justo para que o Brasil fique satisfeito e a Bolívia fique satisfeita. Eu acho que, tendo esta compreensão, nós não teremos problema nenhum no nosso continente?.Segundo Lula, os dois presidentes compreenderam que ?a única chance que nós temos de nos desenvolver é ter paz na América Latina, ter paz na América do Sul?. Comentou ainda que ?sonha com isso?, que ?trabalha para isso? e que vai continuar acreditando nesse projeto.RecadoO recado aos demais presidentes da região, que alimentam picuinhas em si, veio quando Lula avisou: ?é preciso parar, na América Latina de um presidente ficar culpando o outro pela pobreza do seu país. É preciso saber o que nós deixamos de fazer em algum momento da nossa história. E eu acho que se a gente pensar no século 21, a gente pode dar um salto de qualidade. Se a gente ficar remoendo o passado, não andaremos?.A mensagem foi endereçada a pelo menos quatro de seus colegas do continente: Morales, Alejandro Toledo do Peru, Tabaré Vasques, do Uruguai e, especialmente, ao seu companheiro Hugo Chávez.?Eu sou muito otimista com o processo de integração na AL, trabalho para isso?, disse Lula, que reconheceu que existem muitas questões a serem resolvidas na região. ?Nós temos problemas até porque a Democracia na América Latina é muito incipiente, é muito nova. Por isso, é preciso que todos nós tenhamos paciência. Eu sou um homem de muita paciência e eu acredito que nós haveremos de ter uma integração forte?, defendeu. ?Vai demorar alguns anos? Vai. Afinal, não temos o poderio econômico que tem a União Européia. O Brasil é o país mais rico, mas é um país pobre e é com essa pobreza e a vontade de crescimento, com a vontade de melhorar a renda de nossa gente que nós poderemos dar um salto de qualidade?, completou Lula, acentuando que ?as pessoas precisam aprender a conviver democraticamente na adversidade?.Lula não encontrou-se com ChávezAs declarações de Lula foram dadas no saguão do luxuoso hotel Imperial, onde estava hospedado, depois de se reunir, primeiro com Morales, e, depois, com Toledo. Na sua passagem por Viena, Lula não encontrou-se reservadamente com Hugo Chávez - um fato raro.?Ninguém precisa ser igual a ninguém. Ninguém precisa querer fazer a mesma coisa. Mas nós precisamos compreender que somente com muita tranqüilidade, muita paz e muito entrosamento é que vai nos dar a chance de ser um continente ou subdesenvolvido ou em desenvolvimento para nos transformarmos num continente desenvolvido. Eu sonho com isso, trabalho para isso e vou continuar acreditando nisso?, concluiu Lula.Volta ao BrasilA visita do presidente Lula a Viena não se limitou à sua participação na Cúpula União Européia-América Latina. Hoje, depois de almoçar na embaixada brasileira, o presidente Lula iniciou uma visita de Estado de sete horas à Áustria. Lula foi recebido em cerimônia oficial no Palácio de Hofburg, participou de uma reunião de trabalho com seu colega austríaco Heinz Fischer, e, por fim, a um jantar, na sede do governo.A decolagem do presidente brasileiro de volta ao Brasil está prevista para às 22h30, (17h30 em Brasília). Lula seguirá direto para São Paulo a fim de passar o domingo, Dia das Mães, com dona Marisa Letícia, que não o acompanhou na viagem, e os filhos, em São Bernardo do Campo. Ele deve retornar ainda na noite de domingo para Brasília.

Agencia Estado,

13 de maio de 2006 | 09h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.