Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Crise com moradias aumenta chance de recessão nos EUA--Goldman

A crise no setor imobiliário aumentouas chances de uma recessão nos Estados Unidos e vai diminuirainda mais os preços das moradias, analisou o Goldman Sachsnesta terça-feira, cortando suas recomendações de ações parauma série de companhias vulneráveis a um fraco crescimento. Em uma rígida avaliação sobre a saúde econômica dos EUA, obanco de investimentos relatou que o Federal Reserve terá quecortar sua taxa básica de juro em 1,5 ponto percentual, para 3por cento ano, nos próximos seis a nove meses para evitar umarecessão. A fraqueza no setor de construção e no consumoprovavelmente cortará 2 pontos percentuais do crescimento realda economia norte-americana em 2008, e potencialmente vaiaumentar a taxa de desemprego de 4,7 para 5,5 por cento. O efeito de um mercado imobiliário "atolado em um círculovicioso" sugere que o risco de recessão dos EUA aumentou para40 a 45 por cento, segundo o Goldman. De acordo com o banco, os preços das moradias devem cair em15 por cento em comparação com o máximo registrado. Mas se os EUA entrarem em uma recessão --da qual o Goldmanespera que a economia escape por pouco-- os preços das casaspodem cair até 30 por cento em todo o país, mostrou aavaliação. Citando fragilidade econômica, analistas do Goldmancortaram suas recomendações para diversos setores envolvidos daeconomia, incluindo automóveis, companhias aéreas, hotéis,transportadoras rodoviárias, recursos humanos e empresas deterceirização de mão-de-obra. Mas o Goldman subiu sua recomendação para companhias detabaco à medida que investidores buscam as chamadas posiçõesdefensivas em setores que caminham bem quando a economiadesacelera ou entra em recessão. REUTERS AS ES

HERBERT LASH, REUTERS

27 de novembro de 2007 | 19h08

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUAECONOMIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.