Crise com o Paraguai é problema comercial, diz governo federal

O governo paraguaio formalizou ao governo brasileiro um protesto contra a suspensão das exportações de soja paraguaia armazenada no Porto de Paranaguá (PR). A medida é fruto de uma decisão do governador Roberto Requião. O ministro da Casa Civil, José Dirceu, afirmou que o governo do Paraguai terá de buscar outro porto para exportar a soja transgênica, caso a decisão do Paraná seja mantida.O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, também procurou tratar o assunto como "problema comercial." Ambos descartaram que o episódio possa trazer problemas diplomáticos. "As conseqüências podem ser a perda de taxas e emolumentos pela suspensão da atividade."A ministra das Relações Exteriores do Paraguai, Leila Rachid, tratou do assunto com o chanceler Celso Amorim, no México, onde ambos participam de uma conferência internacional sobre segurança. O embaixador do Paraguai, Luis Gonzalez, manteve hoje o discurso conciliador. Ele reiterou que seu governo espera resolver a questão amistosamente, mas quer que seja respeitado o acordo internacional, que os dois países mantêm desde 1956. Pelo acordo, é concedida ao Paraguai uma zona livre, no Porto de Paranaguá, por onde seus produtos podem ser exportados sem fiscalização de autoridades brasileiras. Paranaguá é considerada a principal porta de escoamento de produtos paraguaios para o Atlântico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.