Crise da Grécia agora ameaça Alemanha e França, afirma Pimco

Para executivo do fundo, riscos no sistema bancário europeu estão se tornando, por si só, uma fonte de problemas

Álvaro Campos, da Agência Estado,

05 de outubro de 2011 | 10h32

LONDRES - A crise da dívida soberana da Grécia já desestabilizou Irlanda, Portugal, Itália e Espanha e agora ameaça França e Alemanha, tanto por meio do sistema bancário como diretamente, afirmou nesta quarta-feira, 5, Mohamed El-Erian, executivo-chefe da Pacific Investment Management Company (Pimco), maior fundo de investimentos do mundo.

El-Erian escreveu em um artigo publicado no Financial Times que os riscos no sistema bancário europeu estão se tornando, por si só, uma fonte de problemas, aumentando os desafios enfrentados pelas autoridades europeias.

Segundo o executivo, a recente alta nos swaps de default de crédito (CDS, na sigla em inglês) da Alemanha "também pode representar as incertezas do mercado sobre o tamanho das eventuais obrigações que o país pode enfrentar em razão da crise na zona do euro".

El-Erian cobrou a estabilização do sistema bancário europeu, o que, em alguns casos, pode exigir injeções imediatas de capital e uma gama maior de linhas emergenciais de liquidez. O líder da Pimco também afirmou que é preciso uma ação mais eficiente para lidar com a crise da dívida na periferia da zona do euro e a implementação de reformas estruturais e institucionais. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.