finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Crise de crédito se aprofunda e investidor busca refúgio

Os investidores globais reduziam aexposição a risco nesta quinta-feira, levando as bolsas devalores para os menores níveis em vários anos e fazendo o ienesaltar à medida que os operadores saíam de ativos de altorendimento e optavam pela segurança dos bônus governamentais. Algumas medidas de aversão a risco atingiram os maioresníveis desde os ataques de 11 de setembro de 2001 em meio aostemores de que os problemas do mercado de financiamentoimobiliário de alto risco dos Estados Unidos, o chamadosubprime, possam se transformar em uma crise para as empresas."Os efeitos do crédito dos EUA nos mercados globais continuamconsistentes com um exemplo de contágio financeiro", disse LenaKomileva, economista da corretora Tullet Prebon, em nota aclientes. O índice FTSEurofirst 300, que reúne as principais açõeseuropéias, caía 2,3 por cento, enquanto o indicador MCSI dospapéis asiáticos exceto o Japão teve a pior performance em seisanos. As bolsas de valores dos Estados Unidos também abriram emqueda. O Dow Jones recuava 0,6 por cento, o Nasdaq perdia 0,3por cento e o Standard & Poor''s baixava 0,5 por cento. Mais cedo, o dólar foi abaixo da marca psicológica de 115ienes pela primeira vez um ano. O indicador iTraxx Crossover, medida de sentimento sobre ocrédito na Europa, saltou fortemente, atingindo 400pontos-básicos pela primeira vez em 10 dias. O rendimento do bônus de dois anos da zona do euro caía 15pontos-básicos e era negociado abaixo de 3,9 por cento pelaprimeira vez desde o início de março, abaixo da meta de 4 porcento do Banco Central Europeu (BCE). "As ações moveram-se para sinalizar uma desaceleraçãoeconômica global, liderada por uma piora da crise financeira.Os mercados de ações parecem estar esperando um resultado muitopior do crédito do que a precificação dos próprios mercados decrédito", afirmou Tim Bond, diretor de alocação de ativos doBarclays Capital. O Federal Reserve está injetando dinheiro nos mercadosdesde o início da manhã. Já o BCE ficou de fora do mercado pelosegundo dia seguido. (Colaboraram Sitaraman Shankar, Veronica Brown, GeorgeMatlock, Jamie McGeever, Natalie Harrison, Ian Chua eJenniferCoogan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.