Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Crise derruba confiança do empresário, aponta Serasa

Levantamento mostra que 33% dos empresários vão reduzir investimentos no 2º trimestre de 2009

Carolina Ruhman, da Agência Estado,

30 de março de 2009 | 13h16

Pesquisa da Serasa Experian mostra que 33% dos empresários consultados pretendem reduzir os investimentos no segundo trimestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado. Em janeiro de 2009, 14% dos empresários pensavam em diminuir investimentos no primeiro trimestre deste ano, na mesma base de comparação. A Serasa atribuiu a deterioração da confiança do empresariado ao impacto da crise financeira internacional.

 

Veja também:

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

Segundo o levantamento, 21% dos empresários pretendem ampliar os investimentos no período entre abril e junho deste ano. O resultado indica retração do empresariado, uma vez que, para o período entre janeiro e março de 2009, 50% dos entrevistados pensavam em aumentar os investimentos.

 

A Serasa Experian destacou que o pessimismo do empresariado atingiu o maior nível da série, iniciada em 2005, para um segundo trimestre. Entre os setores, a indústria tem a maior parcela de empresários que apostam na queda dos investimentos (36%), seguida por serviços (33%) e comércio (32%). Já nas instituições financeiras, 27% acreditam na redução dos investimentos, mas 32% esperam aumento.

 

O levantamento também mostrou que os empresários estão divididos com relação ao faturamento de suas empresas - 37% esperam estabilidade do faturamento no segundo trimestre ante o mesmo período de 2008, contra 31% que acreditam em aumento e 32% em diminuição. De acordo com a Serasa, foi o menor nível de otimismo com o faturamento empresarial da série histórica dos segundos trimestres.

 

O estudo mostra ainda que 78% dos empresários esperam o crescimento da inadimplência da população e 69% preveem aumento do endividamento no segundo trimestre. Entre as instituições financeiras, este porcentual atinge 95%.

 

A pesquisa foi realizada na primeira quinzena de março, com 1.015 executivos.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraEmpresasInvestimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.