Crise do álcool e biodiesel são temas de feira em SP

A crise entre usineiros e governo federal e um alerta sobre o futuro dos projetos de biodiesel devem dominar os debates na Feicana/Feibio 2006, principal feira do setor sucroalcooleiro e a primeira de biocombustíveis do País, que será aberta na manhã desta terça-feira, em Araçatuba, interior de São Paulo. O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, chega na quinta-feira, último dia do evento. Ele se reunirá com os usineiros e anunciar medidas restritivas para evitar que novos aumentos de preços de álcool possam colocar produtores e o governo novamente em confronto.O presidente da Câmara Setorial do Açúcar e Álcool, Luiz Carlos Corrêa de Carvalho, disse que "o ministro deverá cobrar do setor o comprometimento de que cumprirá os acordos estabelecidos com o Governo Federal". Segundo Carvalho, "neste momento complexo, só resta ao setor ouvir e assumir os compromissos".GovernoEm 11 de janeiro, os usineiros fecharam acordo com o governo se propondo a manter o preço do litro do álcool anidro em R$ 1,05 e do hidratado a R$ 0,95 nas usinas. O preço subiu, o que repercutiu no descumprimento do acordo firmado previamente. Além de usineiros, Rodrigues se encontrará com técnicos dos projetos de biodiesel em desenvolvimento no País no IV Fórum Brasil Alemanha de Biodiesel, que será realizado durante a feira. Lá, o ministro será alertado de que o Brasil não terá condições de produzir biodiesel suficiente para ser misturado na proporção de 2% ao óleo diesel, como prevê a Legislação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.