Crise dos alimentos é oportunidade para país pobre, diz FAO

Para FAO, pequenos produtores precisam de acesso adequado a terras e a recursos hídricos

Deise Vieira, da Agência Estado,

29 de abril de 2008 | 12h14

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês), Jacques Diouf, afirmou nesta terça-feira, 29, que é preciso tomar medidas para que produtores de países em desenvolvimento possam ter vantagens com os atuais preços elevados dos alimentos. "Enquanto os preços elevados dos alimentos exacerbam a insegurança alimentar e criam tensões sociais, há o perigo de que a sensação de emergência ofusque aspectos de prazo mais longo", escreveu ele, no site da FAO.   Veja também: Especial: Entenda a crise dos alimentos  ONU culpa biocombustível e especulação por crise de alimentos ONU faz reunião em busca de ações para combater crise alimentar Crise na oferta de alimentos é passageira, diz Lula  Para Diouf, pequenos produtores precisam de acesso adequado a terras e a recursos hídricos, insumos, como sementes e fertilizantes, infra-estrutura e sistemas de comercialização e crédito. "Isso lhes permitirá aumentar sua resposta de oferta aos preços mais altos, impulsionando a renda, melhorando suas condições de vida e também beneficiando os consumidores", acrescentou.O diretor da FAO acrescentou ainda que lições podem ser aprendidas com o passado. Ele lembrou que, quando os preços dos alimentos dispararam na década de 1970, muitos governos asiáticos decidiram investir em irrigação e pesquisa agrícola, o que gerou um rápido crescimento na produção. "Uma resposta similar é necessária urgentemente hoje, particularmente na África subsaariana." "O momento para relançar a agricultura é agora, e a comunidade internacional não deve perder esta oportunidade", conclui. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.