Crise dos alimentos pode ser 'oportunidade' para o País, diz Lula

Segundo o presidente, Brasil tem terra, tecnologia e financiamento para dar um 'salto de qualidade' no campo

Da redação,

07 de julho de 2008 | 07h46

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou em seu programa semanal de rádio, Café com o Presidente, que o governo quer tratar a inflação dos alimentos não como um problema, mas como "uma oportunidade para que o Brasil dê um salto de qualidade". "Nós temos terra, agricultores, tecnologia, água, sol e o que precisava era financiamento e nós acabamos de fazer o mais importante programa de financiamento da agricultura", disse Lula nesta segunda-feira, 7, citando o programa de financiamento de máquinas para os pequenos produtores. Segundo ele, serão R$ 25 bilhões até 2010 para financiar 60 mil tratores.     Veja também: Ouça o programa 'Café com o Presidente'  Entenda os principais índices de inflação  Entenda a crise dos alimentos  Plano agrícola prevê R$ 65 bi para conter alta dos alimentos Convidado, Lula deve defender biocombustíveis   De acordo com o presidente, a palavra de ordem agora é "produtividade" e o objetivo é dobrar a produção nas propriedades familiares. Além da verba para compra de máquinas, Lula citou o Plano de Safra lançado na semana passada, que elevou os recursos disponíveis para crédito agropecuário para R$ 65 bilhões no agronegócio e R$ 13 bilhões na agricultura familiar. O presidente também lembrou a renegociação da dívida dos produtores rurais.   Lula destacou ainda a importância da Embrapa no desenvolvimento da agricultura familiar. "Nós agora queremos levar um braço da Embrapa para fortalecer a pesquisa na agricultura familiar", disse. Segundo o presidente, o objetivo é "levar a agricultura familiar à tecnologia que a agricultura empresarial já tem."     Desnutrição infantil     O presidente também comemorou a pesquisa do Ministério da Saúde, que mostrou uma queda da desnutrição infantil no País. "Eu estou convencido que nós vamos atingir as Metas do Milênio com respeito à desnutrição e à mortalidade infantil antes de 2015", disse.   Segundo o presidente, a redução do índice é resultado da ampliação do acesso à água tratada e ao saneamento; aumento do emprego e da renda das famílias; dos programas de transferência de renda, como o Bolsa Família; e da ampliação do acesso à saúde pública.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.