Crise dos bancos se agrava nos EUA

O governo dos Estados Unidos anunciou uma ajuda adicional de US$ 20 bilhões para o Bank of America (BofA), enquanto o Citigroup divulgou um plano de reestruturação que vai dividir a instituição em duas partes. Mesmo assim, as ações dos dois maiores bancos americanos tiveram fortes perdas na Bolsa de Nova York. As do Citigroup caíram 8,62% e as do BofA, 13,8%.Os dois bancos informaram pesadas perdas no quarto trimestre de 2008. O Citigroup disse que teve prejuízo de US$ 8,29 bilhões e o BofA, de US$ 1,79 bilhão, primeiro resultado negativo desde 1991. No caso do Citi, foi o quinto trimestre seguido de balanço no vermelho. Além de dar US$ 20 bilhões a mais para o BofA, o governo estendeu a proteção potencial a perdas com ativos problemáticos da instituição para US$ 118 bilhões. Em troca da ajuda ao BofA, o governo receberá US$ 24 bilhões em ações preferenciais do banco, que pagam um dividendo estimado em 8% ao ano.Esses US$ 118 bilhões não implicam o aporte imediato dos recursos na instituição. Significam que as autoridades podem colocar esse dinheiro dependendo da evolução dos preços dos ativos que estão na carteira do banco. Grande parte desses ativos garantidos pelo governo está no balanço do Merrill Lynch, banco de investimentos comprado pelo BofA em setembro do ano passado, logo após a quebra do Lehman Brothers, que também atuava como banco de investimentos. O conjunto de ativos problemáticos do Merrill consiste basicamente de papéis relacionados a hipotecas desvalorizadas. O Citigroup informou também ter finalizado os termos de um acordo pelo qual o governo vai garantir US$ 301 bilhões em ativos problemáticos da instituição. Em novembro, o Tesouro americano havia se comprometido a aplicar até US$ 306 bilhões no banco. A diferença de US$ 5 bilhões deve-se a uma reavaliação dos ativos do Citi em relação à época em que a garantia foi anunciada. O Citigroup confirmou, ainda, que vai se dividir em duas linhas de negócios, a Citicorp, que reunirá serviços bancários de cem países, e a Citi Holdings, focada em serviços financeiros, que reunirá gerenciamento de ativos. O dinheiro que pode ser destinado ao Citi e ao BofA vai sair do Programa de Alívio de Ativos Problemáticos (Tarp, na sigla em inglês), criado pelo governo George W. Bush para evitar uma quebra generalizada no setor. Quinta-feira, os senadores aprovaram a liberação da segunda parcela dos recursos, que, no total, chegam a US$ 700 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.