ALEX SILVA/ESTADÃO
ALEX SILVA/ESTADÃO

Crise fez 46 mil empresas comerciais fecharem as portas no País em 2016

Levantamento do IBGE mostra que as 1,546 milhão de empresas comerciais brasileiras sobreviventes geraram uma receita operacional líquida de R$ 3,3 trilhões no ano, 0,3% a menos que 2015

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

28 Junho 2018 | 10h01

Ainda em meio à recessão econômica, no ano de 2016, 46.322 empresas comerciais fecharam as portas no País, uma queda de 2,9% em relação a 2015. Os dados são da Pesquisa Anual de Comércio divulgada nesta quinta-feira, 28, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

+ Banco Central vê PIB menor em 2018 e reduz projeção para 1,6%

O levantamento mostra que as 1,546 milhão de empresas comerciais brasileiras sobreviventes geraram uma receita operacional líquida de R$ 3,3 trilhões em 2016, 0,3% a menos que no ano anterior. O comércio pagou R$ 214,8 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações a 10 milhões de pessoas que trabalhavam em 1,685 milhão de unidades locais.

+ Greve dos caminhoneiros derruba indústria e setor tem o pior mês da história em maio, diz Ipea

+ Paralisação faz confiança do consumidor em junho chegar ao menor nível em 10 meses

O comercio varejista respondeu por 54,3% do valor adicionado do comércio como um todo, 74,1% do pessoal ocupado e 64,6% da massa salarial paga aos trabalhadores do setor.

+ Construção teve piora na atividade e no nível de emprego com greve

A receita líquida da atividade de veículos automotores caiu 9,6% na passagem de 2015 para 2016, já descontada a inflação do período. A atividade de hipermercados e supermercados teve redução de 1,5%, enquanto a atividade atacadista de combustíveis e lubrificantes teve ganho de 4,7% no período.

As empresas comerciais tinham, em média, seis ocupados. No setor de hipermercados e supermercados, havia 104 pessoas ocupadas por empresa, em média, o resultado mais elevado entre as atividades investigadas.

No entanto, o comércio reduziu em 2,6% o total de trabalhadores entre 2015 e 2016, mais de 265 mil empregos perdidos, além de cortar em 3,8% o total de salários, retiradas e outras remunerações.

O Sudeste concentrou 49,6% das unidades locais, 51,8% do pessoal ocupado, 51,3% da receita bruta de revenda e 55,7% da massa salarial. A região também registrou o maior salário médio mensal, de 2,1 salários mínimos.

Entre as atividades, o comércio atacadista de combustíveis e lubrificantes pagou o maior salário médio mensal, de 5,7 salários mínimos, e obteve a mais alta produtividade do trabalho: cada pessoa ocupada adicionou, em média, R$ 378,7 mil aos bens e serviços consumidos no processo produtivo das empresas do setor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.