Crise financeira está vencida no Brasil, afirma Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta terça-feira, 15, que, na sua opinião, a crise financeira global está vencida no Brasil e o que falta, agora, é a recuperação no mercado externo. "Acho que ela (a crise) está vencida no Brasil. O que tem é a dificuldade do mercado externo", disse o presidente, comentando que não sabe se o fluxo do comércio internacional voltará aos mesmos níveis de antes da crise.

LEONENCIO NOSSA E LEONARDO GOY, Agencia Estado

15 de setembro de 2009 | 12h46

 

Ao comemorar o resultado da recuperação do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre, Lula afirmou que "acabou definitivamente a empáfia" de empresários, trabalhadores e parte da imprensa. Em discurso de improviso para integrantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), ele estendeu a crítica inclusive aos ex-presidentes da República. "Acabou a empáfia de presidentes da República que tinham medo de conversar com as pessoas. Acabou a empáfia de empresários que achavam que não precisavam do Estado e a empresa privada era a solução para tudo", disse o presidente.

 

No seu discurso, Lula ainda criticou os sindicalistas. "Acabou a empáfia dos trabalhadores que achavam que não podiam se sentar à mesa para discutir". O presidente também não poupou setores da imprensa. "Eu penso que acabou a empáfia de parte da imprensa que achava que com suas manchetes podia criar o clima que bem entendesse."

 

Ao comentar medidas tomadas pelo governo para combater a crise financeira, Lula ressaltou o diálogo com setores diversos da sociedade. O presidente avaliou que, no passado, por falta de diálogo, foram feitos muitos planos econômicos como o Bresser e Verão, que não deram certo. "Era como se a política fosse uma cartola de coelho. Você tira planos e planos que acabam não dando certo", acrescentou.

 

Lula disse ainda que o Brasil terá que se preparar para Copa do Mundo de 2014 "e se Deus quiser" para a Olimpíada de 2016. "Quem quer que assuma o governo (em 2011) terá mais obras a fazer do que temos hoje", disse.

 

Participam do encontro os ministros da Fazenda, Guido Mantega, da Casa Civil, Dilma Rousseff, de Relações Institucionais, José Múcio, e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

 

Reforma tributária

 

Lula afirmou que uma parte da sociedade brasileira não quer a reforma tributária. "Se quisesse, já teria acontecido", afirmou. Lula, que fala neste momento na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social(CDES), disse ainda que a discussão da política tributária "parece uma coisa velha e arcaica". "Só eu mandei duas ao Congresso. Nada aconteceu". Lula ressaltou que até pelo tempo que falta para acabar seu mandato não mandará outra proposta ao Congresso.

 

(com Leonencio Nossa, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
CDESreuniãoLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.