Crise financeira não afetará imagem de Lula, diz Bernardo

Ministro diz que 'está enganado' quem torce para que a crise continue para cair popularidade do presidente

Agência Brasil

15 de outubro de 2008 | 17h35

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo , considerou sem efeito a estratégia de apostar no agravamento da crise econômica como forma de desgastar a imagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  Veja Também:Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitosEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise   "Se tem gente dizendo tomara que crise continue para ver se cai um pouco a popularidade do presidente Lula, está enganado, porque o presidente pode se consagrar como uma pessoa talhada para enfrentar turbulências", disse o ministro, em entrevista ao programa Três a Um. A íntegra poderá ser conferida nesta quarta-feira, às 22 horas, na TV Brasil. "A crise não melhora a vida de ninguém, nem da oposição. Se vamos discutir as próximas eleições, vamos discutir política, vamos discutir idéias. Ninguém vai ganhar nada a custa da desgraça do povo", disse o ministro. Paulo Bernardo afirmou que o governo vem tomando as medidas pontuais para evitar que a crise internacional atinja os bancos brasileiros e que o Brasil tem condições de sofrer menos os efeitos da crise do que outros países que têm sua economia mais dependente de fatores externos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.