Crise financeira se aprofunda e derruba mercados na Ásia

Prejuízo do Merrill Lynch acaba com o humor dos investidores e índice MSCI cai 2,1% nesta terça

Kevin Plumberg, da Reuters,

29 de julho de 2008 | 08h08

As principais bolsas asiáticas fecharam em queda nesta terça-feira depois que o Merrill Lynch, terceiro maior banco de investimento dos Estados Unidos, anunciou uma baixa contábil de US$ 5,7 bilhões relacionada a dívidas de difícil recuperação. O anúncio drenou a confiança no já instável setor financeiro. Às 7h54 (horário de Brasília), o índice MSCI da Ásia Pacífico exceto Japão apresentava desvalorização de 2,1%, aos 410 pontos.   Um dia depois de um banco australiano anunciar baixas contábeis de mais de US$ 1 bilhão em perdas com crédito, a notícia do Merrill elevou os medos de que a crise financeira, que completou um ano, ainda tem mais a mostrar.   O índice Nikkei da bolsa de Tóquio recuou 1,46%, aos 13.159 pontos, derrubada por ações de empresas voltadas para exportação como a Honda Motor e a Canon. Os investidores venderam ações de empresas dependentes de mercados fora do continente.   "Os mercados estão capitulando nas expectativas de um aprofundamento da crise bancária global. A Ásia e os mercados emergentes estão passando por uma capitulação devido à aversão ao risco", afirmou Sean Derby, estrategista-chefe de Ásia na Nomura em Hong Kong, em nota aos clientes.   Depois do fechamento do mercado japonês, a Nomura Holdings, maior corretora japonesa, apresentou um inesperado prejuízo trimestral, afetada por uma escassez de novas ofertas de ações. O índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong perdeu 1,89%, para 22.258 pontos, enquanto em Taiwan a queda foi de 3%.   No mercado sul-coreano, a bolsa de Seul caiu 1,95%, puxado pela Samsung Electronics e LG Electronics. A bolsa de Sydney teve baixa de 1,52%, aos 4.847 pontos, com as ações do Commonwealth Bank of Australia e National Australia Bank caindo mais de 4% cada. Xangai se desvalorizou 1,82% e Cingapura apresentou queda de 0,82%

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.