AP
AP

Crise foi causada por 'gente branca e de olhos azuis', diz Lula

Presidente fez a afirmação ao lado do primeiro-ministro britânico e compara crise a febre que atinge todos

Leonencio Nossa, da Agência Estado,

26 de março de 2009 | 12h12

Ao lado do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira, 29, que as decisões políticas neste momento de crise são mais importantes que as econômicas. "Ele (Gordon Brown), outros líderes mundiais e eu sabemos que o momento exige decisões políticas profundas mais fortes que decisões econômicas que viermos a tomar", afirmou. Lula reforçou que a crise financeira internacional foi causada e fomentada por "gente branca, e de olhos azuis", numa referência a especuladores estrangeiros, de países do primeiro mundo.

 

Veja também:

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

Lula rebateu afirmações de que haveria questões ideológicas nas suas avaliações sobre a crise financeira mundial. "Não existe questão ideológica, existe um fato que mais uma vez percebe-se que a maior parte dos pobres que sequer participava da globalização estava sendo uma das primeiras vítimas da crise. O preconceito que vejo é contra os imigrantes nos países desenvolvidos", afirmou o presidente ao lado de Brown.

 

Lula citou que no Brasil o governo decidiu regulamentar a permanência dos bolivianos. "Porque não se pode jogar nas costas deles a responsabilidade de uma crise que foi causada por poucos". E completou: Não conheço nenhum banqueiro negro ou índio. Só posso dizer que as pessoas desta parte da humanidade foram as maiores vítimas do mundo e elas não podem pagar por isso". 

 

Em declaração à imprensa, no Palácio da Alvorada, o presidente voltou a defender a regulação do sistema financeiro internacional. "Não é possível uma sociedade em que você entra no shopping ou no aeroporto e é filmado, sempre vigiado, e o sistema financeiro não ser vigiado e não ter uma regulação", afirmou.

 

Para o presidente, a crise financeira é uma febre que atinge todos os países. Ele defendeu maior participação do Estado na busca de melhorias para a sociedade. "É preciso que o sistema financeiro se reeduque e trabalhemos para incentivar o setor produtivo", afirmou. "Temos consciência de que é preciso fortalecer as instituições de financiamento", acrescentou.

 

Lula disse que Gordon Brown já é um "amigo" do Brasil e de seu governo, desde 2003, quando o britânico era ministro da Economia. "Recordo sempre dos momentos mais difíceis, quando tomamos posse em 2003. Gordon Brown, como ministro da economia, foi um parceiro para ajudar o Brasil naqueles momento difíceis e de incertezas, sobretudo para ajudar o Brasil a ganhar credibilidade internacional", disse.

 

Brown defendeu a mudança na lógica do sistema financeiro internacional. "O antigo consenso de Washington morreu e não podemos voltar ao modelo de sistema bancário passado", disse Brown, ao lado de Lula. "Temos de mudar a lógica financeira para permitir que pessoas e empresas se sintam seguras em usar os bancos", acrescentou.

 

Plano anticrise dos EUA

 

Lula não demonstrou ânimo em relação à eficácia do pacote econômico apresentado pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que prevê um aporte de US$ 1 trilhão para compra de ativos considerados "tóxicos". "Se o Obama tomou a decisão pensando no melhor para os Estados Unidos, ótimo. Espero que dê certo", disse. "Mas acho que não podemos usar o pouco dinheiro que nos resta para comprar títulos que aqui chamamos de podres", completou.

 

Lula afirmou ainda que entre os problemas que precisam ser enfrentados no mercado interno é o spread bancário. "Subiu demais", disse.

 

O primeiro-ministro Gordon Brown evitou críticas ao plano de Obama e fez comentários num tom amistoso. "É um bom sinal que, uma semana antes do G-20, o governo Obama tenha se posicionado sobre os ativos tóxicos", disse.

 

Texto ampliado às 13h24

Tudo o que sabemos sobre:
Lulacrise financeiraGordon Brown

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.