Crise grega esfarela estado de bem-estar

Pela primeira vez desde o fim da 2ª Guerra Mundial, um país da Europa promove o desmonte dos mecanismos de proteção social

JAMIL CHADE, ENVIADO ESPECIAL / ATENAS, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2011 | 03h06

Há duas semanas, as aulas recomeçaram na Grécia, depois de três meses de férias de mais um tórrido verão. Mas os alunos logo descobriram que a crise desembarcou com força. Nenhuma das escolas públicas do país recebeu os livros escolares para o ano e pelo menos metade não tinha nem sequer giz para os professores.

O motivo foi a decisão de editoras e empresas de não mais entregar o material diante dos calotes sucessivos do Estado. A polêmica escancara uma dura realidade na Grécia: a crise da dívida chegou ao cidadão comum e, pela primeira vez desde o fim da 2.ª Guerra Mundial, um país europeu promove explicitamente o desmonte do estado de bem-estar social, que por décadas foi motivo de orgulho da Europa.

Por exigências do Fundo Monetário Internacional e da União Europeia, a Grécia precisa promover reformas, reduzir o tamanho do Estado e encontrar uma saída para uma dívida pública que muitos já consideram impagável. Sem essas medidas, a Grécia seria obrigada a decretar falência, o que teria consequências sociais e políticas devastadoras. No governo, e mesmo na sociedade, a constatação é de que a Grécia viveu durante anos além de suas capacidades financeiras.

Colocado contra a parede, o governo socialista de George Papandreou não teve outra opção senão a de iniciar uma onda de cortes. O Estado percorreu o interior da Grécia, a capital Atenas e algumas das principais ilhas, apenas para constatar que a face mais dura da crise está sendo paga não por bancos ou pelo Estado, mas pela população.

Os dados oficiais já mostram que a redução no tamanho da economia será duas vezes superior ao que os Estados Unidos perderam em 1930. Entre 2009 e 2012, a Grécia terá uma redução de seu PIB em 15%, segundo o FMI. Uma década será necessária para reconstruir o país.

O problema é que, para uma parcela grande da população, essa década perdida pode também significar uma geração perdida. O desemprego chega a 16%, o dobro em dois anos, e 15% das pequenas e médias empresas fecharam as portas. 100 mil dos 750 mil funcionários públicos serão demitidos até 2015 e dezenas de serviços sociais deixarão de ser oferecidos.

Hospitais. Se as crianças nas escolas já sofrem com a falta de livros, outro sinal do desmonte do estado de bem-estar social está na assistência médica aos mais velhos. Quem tem aposentadoria superior a 1,2 mil sofrerá um corte de 20%. A ex-professora Agathe, em Atenas, já pensa em buscar um novo apartamento, mais barato e em um bairro afastado do centro, para compensar as perdas na renda. "A crise vai obrigar que eu mude de casa. Definitivamente, a crise chegou a todos."

Um capítulo crítico da crise tem sido os hospitais. Há uma semana, a fabricante de remédios Roche anunciou que parou de entregar medicamentos aos hospitais públicos gregos. O motivo: o Ministério da Saúde não pagava suas contas há dois anos.

Se o governo não receber a sexta parcela da ajuda da UE, de 8 bilhões, os médicos não receberão os salários. O Estado visitou o hospital da cidade turística de Fera. O contraste não poderia ser maior. No local, hotéis cinco estrelas repletos de alemães que se queixam de ter de socorrer os gregos. Dentro do hospital, a vergonha dos funcionários diante do corte de recursos. "Temos de fazer o mesmo trabalho com metade dos recursos", contou um deles, que pediu para não ser identificado. Quando a direção do hospital se deu conta da presença da reportagem no local, não hesitou em nos expulsar.

Mas o que não se consegue esconder é que a crise na saúde já afeta a população. Dados oficiais do Ministério da Saúde apontaram que a taxa de suicídios passou de 3 para cada 10 mil pessoas em 2008 para 6 em 2010. Segundo Aris Violatzis, da entidade de ajuda psicológica Klimaka, o número de pessoas que ligam para a organização pedindo socorro se multiplicou por dez em dois anos. "O perfil mais comum de pessoas pedindo ajuda é de um homem de 40 a 60 anos que deixou de ter uma renda. Na sociedade grega, é o homem que deve ter a responsabilidade de sustentar a família", disse. "Com a crise, muitos passaram a viver um drama pessoal."

Na capital de Creta, Heráclion, o setor de frutas e legumes tem registrado uma onda de suicídios. Foram três em um mês. Outra vítima, também um dono de quitanda, foi socorrido a tempo de evitar a quarta morte, depois de jogar gasolina ao corpo e atear fogo em si mesmo, diante da porta de um banco onde tinha dívidas de mais de 600 mil.

O verão acabou, mas o desmonte do estado de bem-estar social ainda não. O governo já anunciou que elevará os impostos sobre a eletricidade e gás para o aquecimento das casas. Com a renda em queda, desempregados e sem futuro claro, muitos pensarão duas vezes antes de ligar o aquecedor quando o inverno gelado chegar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.