Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Crise imobiliária preocupa mais que terrorismo

As hipotecas de alto risco e as dívidas contraídas pelos consumidores representam uma ameaça maior que o terrorismo para a economia americana hoje. A informação é de uma pesquisa divulgada ontem pela Associação Nacional de Economia Empresarial (Nabe, na sigla em inglês).Segundo a instituição, um levantamento realizado com 258 de seus economistas mostrou que 32% deles vêem as execuções judiciais de hipotecas e as dívidas excessivas como maiores preocupações no curto prazo.Dos integrantes da Nabe ouvidos pela pesquisa, 20% mencionaram o terrorismo e o Oriente Médio como a preocupação principal, comparado a 35% registrados em março.Os efeitos da queda das hipotecas de risco são a preocupação principal de 18% dos consultados, enquanto 14% citaram ''''o excessivo endividamento das famílias e/ou das empresas''''.Apesar da recessão no negócio imobiliário, que começou há mais de 18 meses, e a quebra de algumas das maiores firmas hipotecárias, os bancos continuam inundando os consumidores com ofertas de empréstimos de juros baixos.No longo prazo, 24% dos economistas da Nabe avaliam que o maior problema enfrentado pela economia dos Estados Unidos é o custo do atendimento de saúde, seguido pelo crescimento da população idosa e, em conseqüência, pelo aumento da taxa de dependência (21%).Trinta e nove por cento dos economistas continuam achando que a principal força da economia americana é a flexibilidade de seus mercados trabalhistas, quase livres de sindicatos, e onde milhões de pessoas trabalham sem benefícios médicos ou férias pagas.

Agências internacionais, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2028 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.