Crise muda panorama da ajuda financeira multilateral

Doações de recursos por parte da Espanha caíram de € 1 bilhão por ano entre 2007 e 2009 para € 465 milhões em 2011

CÁDIZ, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2012 | 02h08

A inversão de papéis na conjuntura econômica da Europa e da América Latina nos últimos cinco anos teve um impacto direto nas doações de dinheiro entre os países ibéricos e os latino-americanos. Um relatório divulgado ontem pela Secretaria-geral Ibero-Americana (Segib) indicou que a Espanha, em crise, reduziu em mais de 50% as transferências de recursos para o outro lado do Atlântico. Brasil, Argentina e México ajudaram a compensar.

Segundo o documento da Segib, denominado Informe sobre a Cooperação Sul-Sul Ibero-Americana, a Espanha transferia € 1 bilhão por ano entre 2007 e 2009 para programas humanitários e de cooperação econômica. Em 2011, essa cifra caiu para € 465 milhões. Crescendo ao ritmo de 3% a 4% por ano, os países da América Latina cada vez mais se ajudam mutuamente.

Com ênfase em cooperação Sul-Sul, Brasil, Argentina e México responderam em 2011 por 70% dos recursos oferecidos a projetos de comunitários. Os três países financiaram 586 projetos de desenvolvimento, a maior deles relacionado ao aprimoramento agrícola, à criação de infraestruturas de água, luz, transporte e energia. Colômbia, Cuba e Chile vêm a seguir, financiando 25% dos projetos.

"Os países ibero-americanos foram especialmente ativos e reforçaram suas apostas por essa modalidade de cooperação", disse Cristina Xalma, autora do relatório. "Os 42 projetos e 41 ações de cooperação triangular Sul-Sul realizados em 2010 aumentaram, respectivamente, em 76% e 70% ao final de 2011."

Os projetos de cooperação na América Latina totalizaram € 5,5 bilhões, mas vêm caindo nos últimos dois anos. Essa queda é atribuída pela Segib ao desenvolvimento econômico da região, com o aumento do PIB per capita e pela melhor distribuição de renda - 50 milhões de latino-americanos deixaram a pobreza nos últimos 10 anos, segundo a OCDE. / A.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.