Crise não deve adiar grau de investimento, diz Cypriano

O presidente do Bradesco, Márcio Cypriano, disse que a crise internacional que provoca grande instabilidade nos mercados financeiros atualmente não deve adiar a obtenção do chamado "grau de investimento" do Brasil, concedido pelas agências de classificação de risco. "Pelo menos uma das três agências de rating deve dar ''up grade'' ao País ainda neste ano", afirmou.Para o executivo, a crise também não deve provocar um aumento dos juros básicos no Brasil. Ele acredita que a taxa Selic fechará 2008 no patamar atual de 11,25% ao ano. Na avaliação de Cypriano, o Brasil "sentirá algum arranhão com a crise", mas esse não deve afetar o crescimento da economia. O Bradesco estima que a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) ficará em 4,50% neste ano. A projeção para a inflação é que o IPCA termine 2008 em 4,50%, no centro da meta definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). O banco prevê ainda taxa de câmbio de R$ 1,75 por dólar no final deste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.