Crise nos EUA afetaria crescimento da América Latina, diz ONU

A Organização das NaçõesUnidas (ONU) estima que a economia da América Latina crescerá2,6 por cento neste ano caso a crise hipotecária nos EstadosUnidos se prolongue por mais tempo, disse nesta quinta-feiraRobert Vos, diretor de uma divisão do Departamento de AssuntosEconômicos e Sociais da entidade. A crise nas hipotecas de alto risco (subprime) que sedesenrola nos EUA desde a metade do ano passado golpeou osmercados financeiros globais e fez a maior economia do mundoenfrentar um alto risco de recessão. A estimativa da ONU para a América Latina é de crescimentoeconômico de 4,7 por cento para 2008, mas uma maiordeterioração do setor imobiliário norte-americano poderiareduzir essa previsão para quase a metade, disse Vos. "Em um cenário mais pessimista, no qual continue sedeteriorando a situação nos EUA pela crise imobiliária, quepoderia ter um impacto mais forte sobre o dólar, essecrescimento poderia ser reduzido para 2,6 por cento", afirmou. A América Latina, especialmente economias como as doMéxico --com mais de 80 por cento das exportações ao seuvizinho do norte--, está muito ligada ao desempenho dos EUA. Durante a apresentação mundial do informe nas Nações Unidasna quarta-feira, Vos advertiu que há riscos "claros epresentes" de que a economia mundial fique perto de umestancamento em 2008 devido à fraqueza do dólar e aos problemasno setor imobiliário norte-americano e no mercado de crédito. (Reportagem de Tomás Sarmiento)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.