Crise política impede que ajustes revertam quadro recessivo,  avalia economista

Segundo o professor da PUC-MG, Daniel Furletti, uma recuperação da economia brasileira se dará com aumento de investimentos ao mesmo tempo de uma queda no consumo do governo

Suzana Inhesta, O Estado de S. Paulo

28 de agosto de 2015 | 12h14

BELO HORIZONTE - O economista e professor da PUC-MG, Daniel Ítalo Richard Furletti, afirmou que a crise política está impedindo que ajustes econômicos revertam o quadro recessivo. "Nós temos instrumentos que podem desarmar essa situação econômica complicada, mas há a crise política, que acarreta em falta de confiança, que impede que usemos essas ferramentas e revertamos o quadro de recessão. A situação não é boa", afirmou, ressaltando que o País passa por um período de estagflação.

Para ele, uma recuperação da economia brasileira se dará com aumento de investimentos ao mesmo tempo de uma queda no consumo do governo. "Investimento é a preparação para o futuro. E o governo precisa enxugar a máquina, senão nada adiantará", declarou.

Sobre China, o especialista reforça os discursos de que a economia brasileira vai sentir impactos negativos diante de uma desaceleração da economia daquele país. "Um recuo do crescimento chinês deixa o Brasil em situação frágil, porque somos dependentes do mercado em commodities, principalmente. E aí ressalta a importância de se ter investido em infraestrutura para tornar a nossa indústria competitiva. Poderíamos ter aproveitado mais a época do boom das commodities, assim como a Coreia fez", explicou. 

Tudo o que sabemos sobre:
PIBcrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.