Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Crise provoca queda no preço de commodities

Cotação de produtos como soja e arroz cai até 17% e pode ajudar no combate à inflação no País

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2011 | 00h00

Enquanto a Petrobrás mantiver a política de segurar o repasse da alta do preço do petróleo no mercado internacional para o preço da gasolina, o impacto da disparada do barril, que atingiu ontem US$ 111, pode até trazer um certo alívio para inflação ao consumidor, segundo avaliação do economista Miguel Daoud, diretor da Global Financial Advisor.

Ele sustenta esse raciocínio numa tendência detectada nos últimos dias. Por causa dos conflitos nos países árabes, está ocorrendo uma migração dos investidores em mercados futuros em commodities agrícolas para as commodities energéticas derivadas do petróleo (gás, diesel, gasolina, por exemplo).

Com isso, em 15 dias, os preços em dólar de vários alimentos recuaram. Desde o dia 9 deste mês até ontem, o preço futuro da soja na Bolsa de Chicago caiu 10%; do trigo, 15%; do arroz, 17%. Na Bolsa de Nova York, o açúcar recuou quase 5% no mesmo período. "Como as commodities agrícolas são um foco de pressão de preços no IPCA, a retração nas cotações pode ser positiva para a inflação, se a Petrobrás continuar amortecendo a elevação da cotação do petróleo. O Brasil é um país de sorte", diz.

Ele observa que a alta de alimentos é foco de pressão de inflação de países pobres. No IPCA, o índice oficial de inflação, a alimentação responde por cerca de um quarto do índice. No caso dos países ricos, a inflação é derivada da energia, diz Daoud. Com a disparada do petróleo, aumenta o risco de que os Estados Unidos elevem juros e atraiam os investidores para compra dos títulos do Tesouro, reforçando, a saída dos fundos das commodities agrícolas e a queda nos preços.

"Enquanto a Petrobrás segurar os preços, a alta do petróleo não terá impacto na inflação ao consumidor", afirma o analista da consultoria Tendências, Thiago Curado. "O impacto maior do petróleo será nos IGPs, que captam as cotações das matérias-primas no atacado", observa.

Fábio Romão, economista da LCA Consultores, acha que é cedo para imaginar que esse nível de preços do petróleo seja mantido. "Há muitas incertezas. Não dá para projetarmos um IPCA mais salgado nos próximos meses por causa da elevação dos preços do petróleo", diz .

Gasolina. No IPCA, por exemplo, a gasolina pesa 3,96% e as passagens aéreas, que são afetadas pelo querosene, um derivado do petróleo, respondem por 0,34% do indicador. Procurada pelo Estado, Gol e TAM, que dominam o mercado de aviação, informaram, por meio de assessoria de imprensa, que estão preparadas para enfrentar a volatilidade dos preços do petróleo.

A Gol informa que "não haverá repasse" da alta do petróleo para a tarifa aérea. A empresa relata que tem uma posição de hedge de petróleo que protege 20% do seu consumo de querosene dos próximos 12 meses. Para este trimestre, esse índice aumenta para 40%.

A TAM informa que a sua política de hedge cobre entre 10% e 60% das suas necessidades futuras de combustível ao longo dos próximos 12 meses. O gasto de combustível da companhia representa 34% das despesas operacionais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.