Scott Applewhite/AP
Scott Applewhite/AP

Crise russa afeta vendas de carne brasileira ao país

Após Putin interrompercompras dos EUA e daEuropa, Brasil vinhalucrando com alta dasexportações à Rússia

JAMIL CHADE, O Estado de S.Paulo

16 Dezembro 2014 | 02h04

GENEBRA - A crise da economia russa diante dos embargos econômicos e da queda do preço do petróleo começa a repercutir nas exportações brasileiras de novembro e dezembro, revertendo parte dos ganhos que o País conquistou diante da crise entre o Ocidente e Moscou.

No mês passado, as vendas nacionais para o mercado russo caíram 44,2%, depois de registrar alta de 16% e 12% em setembro e outubro, respectivamente. O setor de commodities foi o mais prejudicado neste fim de ano, com queda de 50%.

Em agosto, a União Europeia adotou o maior pacote de sanções contra Moscou desde o fim da Guerra Fria. As medidas tinham a meta de forçar o presidente Vladimir Putin a desistir de apoiar separatistas na Ucrânia. Mas, em retaliação, o governo de Moscou fechou seu mercado para as exportações agrícolas da Europa e dos EUA.

Para substituir os produtos fornecidos pelos americanos, principalmente a carne, a Rússia foi buscar alternativa no Brasil e na América do Sul. Por isso, no acumulado do ano, as exportações brasileiras à Rússia estão 32% acima do valor de 2013. No setor de carne suína, a alta é de 117%; no de frango, de 120%.

De acordo com Fernando Turra, presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal, a tendência de alta já começou a se reverter - reflexo direto da piora das condições da economia russa.

Disputa. Além de perder terreno na Rússia, os exportadores brasileiros têm dificuldades para negociar a entrada do frango na Indonésia. Ontem, a diplomacia brasileira iniciou consultas na OMC com o governo de Jacarta por conta das barreiras impostas sobre o frango nacional. Segundo Turra, os indonésios não trouxeram qualquer tipo de proposta concreta e apenas indicaram que querem negociar. Tudo indica que o caso será levado aos tribunais.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.