Alex Silva|Estadão
Alex Silva|Estadão

‘Crise trouxe novos negócios'

Outlets e bancos viraram clientes, diz executivo

O Estado de S.Paulo

25 Dezembro 2016 | 05h00

A crise está mudando a finalidade e os parâmetros de negociação dos de galpões logísticos. O preço médio caiu, a rotação está menor e a finalidade das empresas que procuram os galpões mudou. “A crise trouxe novos negócios”, conta Gilson Schilis, presidente da Fulwood, empresa de incorporação e gestão.

Segundo ele, os outlets, que são os shoppings de desconto, lojas de comércio eletrônico e bancos que encolheram as agências procuram os galpões para estocar documentos e materiais.

Essa mudança de perfil tem ajudado a empresa a manter níveis satisfatórios de ocupação, apesar da grande vacância no mercado. Nos cinco condomínios de galpões localizados num raio de um quilômetro das rodovias Anhanguera e Bandeirantes, no trevo Jundiaí e Itatiba (SP), a empresa informa que tem uma área ociosa pequena, apesar de não faltarem placas de aluga-se nessas instalações.

Schilis diz que o índice de vacância dos seus empreendimentos nessa região é de cerca de 6%. Mas pesquisa da consultoria Cushman & Wakefield aponta que a ociosidade de galpões na região atingiu 22,3% no terceiro trimestre deste ano.

Mais conteúdo sobre:
Bandeirantes Jundiaí

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.