Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Cristina, à la Chávez

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, lembrou ontem o governo populista do venezuelano Hugo Chávez. Decretou a renacionalização da YPF (Yacimientos Petrolíferos Fiscales), que em 1999 havia sido vendida em leilão público para a Repsol - controlada por capitais espanhóis. A YPF é responsável por 65% da produção de petróleo e gás natural do país.

CELSO MING, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2012 | 03h04

A decisão foi empacotada como operação de soberania energética, do tipo "o petróleo é nosso". A expropriação de 51% das ações será paga por valor a ser determinado pelo Tribunal de Contas, sabe-se lá com que critério.

A acusação contra a YPF é de que se tornou uma empresa predatória, que não reinveste seus lucros na Argentina: "Entre 1999 e 2011, a YPF registrou lucro de US$ 16,5 bilhões e distribuiu US$ 13,2 bilhões em dividendos. Não temos problema com a rentabilidade, mas com que esses lucros não sejam reinvestidos na Argentina para atender às necessidades do país", disse Cristina.

Só as ditaduras determinam o que uma empresa pode ou não fazer com seus lucros. No caso da Argentina, grande número de empresas - e não somente a YPF - não tem interesse em investir, porque o atual governo tabelou os preços ao consumidor. Eles seguem sendo reajustados muito abaixo da inflação, porque os números oficiais são achatados, por manipulação do governo.

A YPF não é a única do setor que vinha sendo pressionada a investir. A Petrobrás, que também atua na Argentina, vinha sendo cobrada pelo mesmo motivo.

Um dos desdobramentos dessa decisão tomada é seu potencial gerador de crise diplomática. Há dias, o primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, advertiu o governo da Argentina que um ataque aos interesses da YPF seria entendido como um ataque ao próprio Estado espanhol. No passado, fantásticos carregamentos de ouro e prata provenientes de suas então colônias latino-americanas chegavam aos portos de Espanha. Em alguma medida esse afluxo está se repetindo agora (veja o Confira) e o governo espanhol teme perder essa riqueza quando mais precisa dela para tirar a economia da crise. Cristina avisou que vai pagar para ver: "Esta presidente não vai responder a nenhuma frase insolente que alguns disseram. Sou chefe de Estado, y no una patotera".

A motivação mais profunda de Cristina é interna. Assim como tentou redespertar movimentos nacionalistas com a reabertura do caso Malvinas, parece determinada a evocar questões de soberania para tirar do foco as sérias condições da economia, que enfrenta inflação de 24% ao ano, desemprego já próximo dos 7% e forte desaceleração econômica.

O momento é de escassez de moeda estrangeira. Depois do calote de mais de 80% da dívida externa em 2001, a Argentina tem de viver da mão para a boca. Só pode usar os recursos externos que vem obtendo com exportações, hoje cadentes. Daí por que passou a controlar um a um os pedidos de importação.

Os relatórios não oficiais são de que os próprios argentinos esperam pelo agravamento da crise externa. Tiraram do País ou entesouraram (guardando debaixo do colchão) nada menos que US$ 30 bilhões em 2011, o equivalente a quatro meses de exportação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.