Cristina chama crise financeira de 'efeito Jazz'

A presidente Cristina Fernández de Kirchner batizou a crise financeira internacional de "efeito Jazz", em alusão ao ritmo musical dos Estados Unidos. Durante um discurso na Casa Rosada, o palácio presidencial, Cristina ironizou sobre a turbulência gerada nos EUA, que nos últimos dias espalhou-se para o resto do planeta: "até hoje já conhecemos a crise do tequila, o efeito caipirinha...tudo isso, sempre de acordo com o país que provocava o movimento do mercado. Agora, (a crise) provém do norte, daquilo que antes era um modelo...".Segundo a presidente, "o efeito jazz assola o mundo". Mas, sustenta que a Argentina "tem a consistência de um modelo no qual, além de exportar e construir, está dando forma à uma visão e um modo de inserção próprio no atual mundo globalizado".A presidente argentina afirma que seu país possui um superávit fiscal (economia que um país faz para pagar os juros e a dívida interna e externa) equivalente a 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB) que "lhe permite enfrentar esta crise nos mercados. "Talvez, em outras épocas, teria sido um forte golpe para a Argentina e provocado desestabilização social", acrescentou. Cristina e seus ministros afirmam que atualmente, a Argentina tem capacidade para driblar os efeitos da crise internacional.

ARIEL PALACIOS, Agencia Estado

24 de janeiro de 2008 | 12h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.