Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Cristovam Buarque é o 1ºa tirar assinatura da CPI da Petrobras

Para se instalar a CPI, é necessário o apoio de 27 senadores e a comissão para investigar a estatal tem 31

Eugênia Lopes e Leonardo Goy, da Agência Estado,

15 de maio de 2009 | 19h17

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) foi o primeiro a retirar a assinatura do requerimento para criação da CPI da Petrobras. Agora são 31 senadores a assinar o documento. Para se instalar a CPI, é necessário o apoio de 27 senadores. Por isso, a base aliada do governo trabalha para tentar retirar mais assinaturas até a meia-noite e, assim, inviabilizar a comissão. O senador João Pedro (PT-AM) disse que o foco do trabalho político dos senadores governistas é retirar de seis a oito assinaturas do requerimento do senador Álvaro Dias.

 

Veja Também:

linkMinistério Público protocola pedido para investigação da Petrobras

linkGoverno e oposição trocam acusações sobre CPI

linkGoverno pressiona, mas senador diz que CPI é irreversível

linkCPI atrapalharia investimentos da Petrobras, diz Dilma

forum Enquete: A CPI da Petrobras atrapalha os investimentos da estatal?

especialVeja o que será apurado pela CPI da Petrobras

 

Para isso o papel do PMDB será fundamental, já que dentro das 31 assinaturas sete são, em tese, de parlamentares que pertencem à base aliada do governo, sendo que quatro destes pertencem ao PMDB: Pedro Simon (RS), Jarbas Vasconcelos (PE), Mão Santa (PI) e Geraldo Mesquita Júnior (AC). Os outros dois integrantes da base do governo que assinaram o documento são: Romeo Tuma (PTB-SP) e Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR).

 

Em ofício encaminhado ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), Buarque reafirma sua posição assumida na reunião de líderes de que deveria ser realizada uma audiência pública com o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, antes de decidir a criação ou não da CPI.  

 

"Se a audiência pública tivesse o sucesso que eu e os demais líderes esperávamos dela, a solução evitaria qualquer ameaça de risco à rentabilidade e ao prestígio internacional da Petrobras. Caso os esclarecimentos prestados ali não fossem suficientes, não fossem capazes de atender às respostas que toda a sociedade brasileira e o Senado têm a obrigação de obter da direção da Petrobras, então faríamos a CPI. Nesse caso, eu não teria dúvidas em manter a minha assinatura", diz no ofício o senador.

 

O objetivo da CPI protocolada pelo Álvaro Dias (PSDB-PR) é investigar, entre outros assuntos, a operação contábil realizada pela Petrobras no ano passado, que acarretou na redução do pagamento de impostos pela empresa. O senador também retirou a assinatura de outro requerimento, do senador Romeu Tuma (PTB-SP), que também pede investigação na Petrobras, mas apenas referente a outras questões, como possíveis fraudes na contratação da reforma de plataformas.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.