Crítica de Jereissati é tratada com respeito, diz Dirceu

"Elas estão sendo tratadas com o devido respeito, apesar de muitas vezes serem mais críticas com um cunho político-eleitoral e político-partidário", garantiu o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu. A frase foi dita durante entrevista para o programa Espaço Aberto, da Globonews, ao se referir às críticas do senador Tasso Jereissati ao projeto das PPPs. Dirceu disse ainda que não faz parte da cultura do PT fazer demagogia com responsabilidade fiscal: "Mas como nós estamos numa democracia, cabe aos líderes do governo mostrar aos 81 senadores e senadoras que não há risco de ter qualquer irresponsabilidade fiscal."Investimentos das estataisJosé Dirceu acredita que, mesmo sem a PPP, haverá um crescimento nos investimentos, principalmente por causa dos investimentos dos bancos estatais. "A capacidade de investimento do BNDES e do Banco do Brasil pode chegar a R$ 100 bilhões", calculou o cacique petista. Ele frisou que existe uma política de investimentos para os bancos públicos, como o BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica, Banco do Nordeste e o Banco da Amazônia. "O BNDES, junto com a CEF, podem viabilizar R$ 7 bilhões em saneamento por ano." Juros baixos para favorecer crescimentoO ministro afirmou ser favorável a uma redução da taxa básica de juros, a médio prazo, a fim de favorecer os investimentos. "A política de juros tem de ser compatível com uma taxa que vai deslocar da poupança para o investimento uma parcela dos recursos que estão hoje servindo para rolar a dívida", pregou Dirceu. "O Brasil jamais vai crescer de maneira sustentável com 10%, 10,5% de juros reais."No entanto, ele não descarta a possibilidade de uma elevação da taxa Selic, conforme constou na última ata do Copom. Ele não acredita que uma eventual alta nos juros vá prejudicar o crescimento neste ano: "Não acredito que isso aborte o crescimento, porque não será uma medida que vá alterar a taxa de juros real. A taxa real tende a cair e a inflação, como era esperado, tende a subir um pouco, abaixo de 8%", estimou. Ele justifica que o repique inflacionário se deu por causa da falta de investimentos: "Era natural que o País vivesse pressões inflacionárias."?Gestapo?Ainda durante a entrevista, o chefe da Casa Civil disse ser favorável a se limitar a ação do Ministério Público. "É preciso recolocar o MP nas suas atribuições constitucionais. Estão acontecendo abusos inadmissíveis", salientou Dirceu. Ele destacou que em alguns casos estão se constituindo pequenas células que passam a investigar acima da lei. "Não são métodos heterodoxos, são métodos ilegais (...) Têm de sofrer as consequências da lei, porque senão nós vamos ter pequenas Gestapos funcionando no Brasil, o que é muito perigoso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.