Crocs podem prender em escadas e Japão pedirá novo desenho

Atores de Hollywood, chefs de cozinha e até George W. Bush já apareceram calçando seus pares

Lola Felix, do Jornal da Tarde,

23 de abril de 2008 | 17h54

O Ministério da Indústria e Comércio do Japão instruiu o fabricante dos calçados crocs a aperfeiçoar o design dos famosos tamancos de plásticos. Segundo informações da agência de notícias Associated Press, crianças que usam os tamancos crocs podem prender os pés em escadas rolantes. A recomendação também vale para os genéricos dos crocs: os similares apresentam o mesmo problema. O ortopedista Agnaldo de Oliveira Jr., do Hospital das Clínicas e do Hospital Edmundo Vasconcelos, usa os crocs e não os considera perigosos. 'É apenas um calçado confortável, meu filho de 3 anos usa o tempo todo', diz. Quanto à possibilidade de prender o pé na escada rolante, ele diz que é preciso ter cuidado também com outros tipos de calçados, como chinelos e tênis. 'Eles também podem prender na escada rolante.' Segundo comunicado da empresa, os acidentes e recomendações mencionados pelo ministério japonês se referem a vários tipos de calçados, não apenas aos crocs. 'Acreditamos que é positivo e que o foco das recomendações seja para melhorar a segurança nas escadas rolantes', diz o comunicado. Os tamancos de plástico são unissex e foram criados por três velejadores norte-americanos de Boulder, Colorado . Em 2002, eles desenvolveram sapatos muito confortáveis, à prova d'água e que não escorregavam. Em 2006, os crocs ganharam novas formas,elaboradas por designers italianos. Atores de Hollywood, chefs de cozinha e até George W. Bush já apareceram calçando seus pares, colaborando para a fama dos tamancos. Eles chegaram ao Brasil no final de 2006. A princípio, os crocs eram importados, mas em julho de 2007, a empresa construiu uma fábrica em Sorocaba (SP). Um tamanco original custa, em média, R$ 90.

Tudo o que sabemos sobre:
Croc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.