coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

CSN ameaça demitir 1,1 mil e tenta acordo com sindicato

O Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense e a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) têm hoje nova rodada de negociações para discutir a flexibilização de direitos trabalhistas proposta pela empresa. Segundo o presidente do sindicato, Renato Soares Ramos, a siderúrgica ameaça demitir mais 1,1 mil trabalhadores, caso não chegue a um acordo. O sindicalista estima que de dezembro a janeiro foram dispensados 1,3 mil funcionários. A CSN foi procurada, mas disse que não se pronunciaria a respeito. Ramos conta que as negociações vão ocorrer durante audiência na Delegacia Regional do Trabalho de Volta Redonda. De acordo com ele, a CSN quer reduzir o benefício adicional de férias dos atuais 70% sobre o salário para 33%, o mínimo estipulado pela legislação trabalhista. A empresa também quer ampliar o número diário de horas trabalhadas de 6 para 8, sem alteração de salário. Outra reivindicação, a única que tem a aprovação do sindicato, é a criação de um banco de horas. O sindicalista lembra que o Ministério Público do Trabalho já havia ajuizado ação civil pública, com liminar deferida pela 3ª Vara do Trabalho de Volta Redonda, obrigando a CSN a comunicar qualquer demissão com 48 horas de antecedência. Também foi determinado que a empresa informe o número de demissões de dezembro de 2007 a dezembro de 2008, além dos cortes a partir de janeiro. Segundo o presidente do sindicato, uma audiência na 3ª Vara do Trabalho deve definir a situação no próximo dia 26.

Alberto Komatsu, O Estadao de S.Paulo

19 de março de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.