CSN avalia aumentar participação na Usiminas

Empresa quer aumentar suas participações além do nível de 10% em cada classe de ação da siderúrgica rival

Reuters,

27 de janeiro de 2011 | 11h54

A CSN anunciou nesta quinta-feira, 27, que está avaliando "alternativas estratégicas" para seu investimento na Usiminas, incluindo aumento de suas participações além do nível de 10% em cada classe de ação da siderúrgica rival.

A informação consta em fato relevante enviado pela CSN à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). No documento, a empresa também disse que na quarta-feira passou a deter, direta e indiretamente, 5,03% das ações ordinárias da Usiminas Além disso, a CSN possui 4,99% das ações preferenciais da Usiminas.

Duas semanas atrás, a CSN havia informado que tinha em carteira 4,99% das ações preferenciais e ordinárias da Usiminas.

"A companhia não objetiva, no momento, adquirir participações superiores a 10% de cada uma das classes de ações da Usiminas (...) A companhia está avaliando alternativas estratégicas com relação a seu investimento na Usiminas incluindo possíveis aquisições adicionais de ações superiores aos valores mencionados", informou a CSN.

"Eventuais aquisições adicionais poderiam levar a alterações na composição do controle ou na estrutura administrativa da Usiminas", acrescentou a CSN.

A CSN não informou o valor das operações de compra das ações da Usiminas.

No terceiro trimestre do ano passado, surgiram rumores no mercado de que dois importantes acionistas da Usiminas --Camargo Corrêa e Votorantim-- estariam avaliando se desfazer das ações da siderúrgica.

Relatório de setembro de 2010 do BTG Pactual afirmava que a eventual saída de Camargo Corrêa e Votorantim levaria a mudanças na estrutura societária da Usiminas, eventualmente a uma possível fusão com uma concorrente local.

O bloco de controle da Usiminas é formado por Camargo Corrêa e Votorantim (que juntas detêm 26 por cento das ações ordinárias), pela japonesa Nippon Steel (com 27,8% das ordinárias) e pelo Fundo de Pensão Usiminas (10,1% das ordinárias).

Outro acionista relevante detentor de ações com direito a voto da Usiminas é a Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, com 10,4% desses papéis, segundo dados no site da siderúrgica.

As ações preferenciais da Usiminas avançavam 1,90%, para R$ 19,27, às 11h22. As ordinárias subiam 1,77%, para R$ 21,80. Os papéis da CSN, por sua vez, exibiam valorização de 0,38%, a R$ 28,94.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.