Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

CSN e Vale anunciam descruzamento

Depois de três adiamentos, o descruzamento das participações acionárias entre a Companhia Vale do Rio Doce e a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) aconteceu. Hoje, os sócios estiveram reunidos na sede da mineradora para fechar os detalhes finais da operação. Em breve, as empresas devem enviar um fato relevante à Bovespa com os termos da operação de descruzamento. A separação acionária envolve ainda a participação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Para viabilizar a operação, o órgão aprovou um pacote financeiro que possibilitará ao Grupo Vicunha, principal controlador da CSN, comprar a parte da Previ e da Bradespar na siderúrgica. O BNDES financiará US$ 390 milhões, sendo que US$ 190 milhões serão emprestados de forma indireta por meio do Unibanco e do BBA, agentes repassadores do banco. Analistas de mercado consideram o descruzamento fundamental para o desenvolvimento das duas companhias. A expectativa é de valorização dos papéis das duas empresas nos próximos dias.

Agencia Estado,

02 de janeiro de 2001 | 17h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.