CSN estuda projetos para ampliar produção

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) estuda dois projetos para ampliar sua produção nos próximos anos. A idéia é escolher entre a instalação do quarto alto-forno na fábrica de Volta Redonda, no Rio de Janeiro, ou a construção de uma nova usina voltada à exportação. "São investimentos substanciais que vão definir como será o processo de internacionalização", afirmou o diretor de Investimentos e Relações com Investidores da CSN, Lauro Rezende. Os planos de expansão da siderúrgica foram anunciados após a CSN informar um lucro de R$ 694,4 milhões no terceiro trimestre, resultado 242% superior ao apurado no mesmo período do ano passado. O desempenho da empresa foi beneficiado pelo aumento dos preços dos produtos siderúrgicos e o aquecimento do setor.O que vai bater o martelo sobre a questão é a necessidade de placas prevista para a companhia nos próximos cinco anos. "Se a demanda por placas for de cerca de 2,5 milhões (toneladas), a opção será pelo alto-forno. Se ficar acima disso, a opção será por uma nova fábrica." O local da nova usina também não foi definido, a empresa analisa as vantagens de construir a planta em Minas Gerais ou no município de Itaguaí, no Rio de Janeiro.O projeto de expansão inclui ainda a já aprovada ampliação da produção de minério de ferro da mina de Casa da Pedro. O investimento de R$ 782 milhões tem como objetivo elevar de 16 milhões de toneladas para 40 milhões de toneladas a produção a partir de 2007. ExteriorO diretor de Investimentos e de Relações com Investimentos reiterou também a intenção da empresa em adquirir uma laminadora nos Estados Unidos ou Europa, como parte do projeto de internacionalização da siderúrgica. O executivo não quis adiantar como estão as negociações para essas aquisições, mas frisou que a CSN terá um papel de consolidador dentro do atual cenário de reestruturação do setor siderúrgico mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.